CIDADES

min de leitura - #

Cesta básica tem redução de preços em Apucarana e Arapongas, diz pesquisa

Adriana Savicki

| Edição de 09 de junho de 2022 | Atualizado em 09 de junho de 2022
Imagem descritiva da notícia Cesta básica tem redução de preços em Apucarana e Arapongas, diz pesquisa

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Após quatro altas consecutivas, a inflação dos alimentos deu uma trégua na região. Entre abril e maio, o custo dos 13 alimentos que compõem a cesta básica oficial brasileira apresentou uma redução de 2,31% em Apucarana, passando dos R$ 698,31 para R$ 682,15, uma diferença de R$ 16,16. Já em Arapongas, a redução foi um pouco mais significativa: 3,5%. Os percentuais foram divulgados nesta quinta-feira (9) pelo Núcleo de Conjuntura Econômica do curso de Economia do campus de Apucarana da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), que faz o acompanhamento mensal da evolução de preços.

Dos 13 itens da cesta, cinco apresentaram redução em Apucarana. Considerado vilão da inflação, o tomate foi o alimento com maior queda: 22,12%. Também recuaram os preços da banana prata (14,06%), farinha de mandioca (5,01%), arroz (5,15%) e carne bovina (1,52%). Segundo a pesquisa, a redução do preço da cesta básica em termos absolutos foi puxada justamente pela queda do preço médio do tomate que, sozinho, reduziu R$ 19,76 no mês de referência.

De outro lado, os demais  itens continuam na escalada de preços. A batata, que teve aumento de 17,54% e o pão francês, 8,62% mais caro de um mês para o outro, registraram maiores índices. Também ficaram mais caros os preços do leite (7,16%), feijão (7,05%), manteiga (4,53%), óleo de soja (1,34%), açúcar (0,93%) e café em pó (0,91%).

A pesquisa aponta, ainda, que o custo da cesta básica regional equivale a 56,3% do valor do salário mínimo nominal de maio (R$ 1.212,00). 

A pesquisa anterior, realizada entre março e abril apontou uma alta de 3,5% no valor da cesta.

Segundo o coordenador da pesquisa, professor Rogério Ribeiro, a relativa queda de preços não deve durar muito. “A determinação dos preços depende das forças de mercado. No caso, das commodities. Os preços devem se manter elevados e há uma expectativa de pequenos reajustes. Se não tivéssemos os choques sazonais do tomate, batata e banana os preços das cestas teriam subido. A tendência é que tenhamos volatilidade, mas com tendência de alta”, comenta.

ARAPONGAS

Em Arapongas, no mesmo período, o custo da cesta básica reduziu de R$ 717,28 para R$ 692,14, um percentual de 3,5% e uma diferença, em valores, de R$ 25,14. O tomate também foi o item com maior redução de preço no período: 27,81%, seguido da banana prata (15,85%). Outros itens que reduziram de preço foram a batata (9,18%), arroz (2,18%), pão francês (1,40%) e manteiga (1,04%).

De outro lado, os alimentos com registro de maiores aumentos foram: farinha de mandioca (10,69%), feijão (6,50%), leite (5,54%), carne bovina (3,78%), óleo de soja (0,56%), café em pó (0,43%) e açúcar (0,18%). A redução do preço da cesta básica em Arapongas, em termos absolutos, também foi puxada pela queda do preço médio do tomate que reduziu R$ 23,35 no mês de referência.