CIDADES

min de leitura - #

Morte de criança de 6 anos após atendimento médico é investigada

Aline Andrade

| Edição de 29 de agosto de 2022 | Atualizado em 29 de agosto de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O menino de 6 anos que morreu no domingo (28), em Arapongas, após passar por atendimento médico no Pronto Atendimento 24 Horas Alberto Esper Kallas, foi sepultado na manhã de ontem.

O corpo da criança, que não teve a identificação revelada a pedido da família, passou por exames de necropsia no Instituto Médico Legal de Apucarana (IML), mas a causa da morte ainda não foi determinada. Segundo o IML, exames complementares foram solicitados e não há previsão de quando os resultados ficarão prontos.

O garoto estava reclamando de dor na garganta e foi levado pela família até a unidade, onde recebeu atendimento médico e foi medicado. Ele retornou ao local horas depois já em parada cardiorrespiratória. 

A Prefeitura de Arapongas emitiu uma nota sobre o caso. Conforme a Saúde, por volta das 20 horas de sábado, a criança foi atendida pela equipe médica e diagnosticada com um quadro de faringo amigdalite (infecção de garganta). 

De acordo com a equipe, foram administrados dois medicamentos: um antibiótico para a infecção de garganta e outra injeção contra vômito. Os profissionais salientam que levaram em conta as informações dos familiares de que a criança não tinha alergia à medicação e também informações de que ela já havia utilizado essa medicação anteriormente, conforme outras consultas em próprio prontuário. A criança ficou das 20h29 até as 22h04 em observação e sem nenhuma reação alérgica. Em função disso, recebeu alta.

Por volta das 4 horas da madrugada de domingo, os familiares retornaram com a criança já em parada cardiorrespiratória, sendo imediatamente assistida. Segundo a equipe, todos os procedimentos possíveis para tentar reanimar o paciente foram adotados, porém em cerca de 50 minutos, foi infelizmente confirmado o óbito.

A Secretaria Municipal da Saúde informa, em nota, que o Conselho Tutelar também esteve presente no local e que o Ministério Público também está sendo acionado para acompanhar o caso. (ALINE ANDRADE)