CIDADES

min de leitura - #

Mortes violentas são 4 vezes maiores no Vale no 1º trimestre

Adriana Savicki

| Edição de 21 de junho de 2022 | Atualizado em 21 de junho de 2022
Imagem descritiva da notícia Mortes violentas são 4 vezes maiores no Vale no 1º trimestre

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O ano começou mais violento no Vale do Ivaí. O número de assassinatos foi quatro vezes maior no primeiro trimestre deste ano no comparativo com mesmo período do ano passado. Segundo dados do Relatório Estatístico Criminal da Segurança Pública do Paraná, divulgado na semana passada, de janeiro a março foram contabilizados 12 homicídios dolosos e um feminicídio na região. No 1º trimestre do ano passado foram 3 homicídios. 

Dos 26 municípios da área de abrangência da 17ª Subdivisão Policial (SDP), houve vítimas em seis. Quase metade dos crimes aconteceu em Apucarana, sede da subdivisão e maior município da região. Foram cinco homicídios dolosos – quando há intenção de matar - e um feminicídio. No 1º trimestre do ano passado, apenas um caso havia sido registrado. 

Outro município polo da região, Jandaia do Sul, que não havia registrado nenhum crime contra a vida no 1º trimestre do ano passado, somou três homicídios neste ano. Também foram registrados homicídios em Faxinal, Ivaiporã, Marumbi e São João do Ivaí. No 1º trimestre de 2021, além de Apucarana, apenas Ivaiporã e Califórnia contabilizavam mortes por homicídio.

Dos homicídios ocorridos neste ano em Apucarana, o delegado-chefe da da 17ª SDP, Marcus Felipe da Rocha Rodrigues afirma que quatro já foram elucidados, além de um outro assassinato registrado no ano passado que foi solucionado neste ano. 

Sobre a elevação no número de assassinatos neste ano, o delegado considera ser difícil apontar a causa do aumento, já que os crimes tiveram motivações diferentes e ocorreram em circunstâncias variadas. Como exemplos ele cita um duplo homicídio registrado no Jardim Colonial que tem relação com o tráfico de drogas, uma briga durante uma confraternização com bebida alcoólica que terminou em morte e o caso do homem descontrolado que matou a mãe dentro do Hospital da Providência. “Não dá para dizer que uma situação específica está trazendo o aumento de homicídios na cidade”, afirma. 

Na região, a quantidade de vítimas nos primeiros três meses deste ano se aproxima do número total de mortes registrada em todo ano passado: 17, sendo 16 vítimas de homicídio e uma de lesão corporal seguida de morte.

PARANÁ

Em todo estado, segundo dados da Sesp, foram registrados 534 homicídios dolosos no período. O número é um pouco maior que no mesmo período de 2021, quando foram contabilizados 523 casos.

Por outro lado, as demais modalidades de crimes contra a vida reduziram. A maior redução foi nos casos de latrocínios (roubos seguidos de morte), que caíram 53%. No primeiro trimestre do ano passado, foram registrados 17 latrocínios, contra oito no mesmo período deste ano.

Também houve redução de 40% no número de ocorrências de lesão corporal com resultado de morte. O número caiu de 15 ocorrências para 9. (ADRIANA SAVICKI E CINDY SANTOS)