CIDADES

min de leitura - #

Número de MEIs cresce 60% na pandemia em Apucarana

Fernando Klein

| Edição de 19 de julho de 2022 | Atualizado em 19 de julho de 2022
Imagem descritiva da notícia Número de MEIs cresce 60%
na pandemia em Apucarana

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Onúmero de microempreendedores individuais (MEIs) disparou na pandemia de covid-19. Mesmo após o relaxamento das restrições, por conta do avanço da vacinação, a tendência de alta se mantém. Em Apucarana, a formalização aumentou 60% nos últimos três anos, muito por conta da crise econômica e da perda de empregos registrada no pico dos registros da doença. 

Segundo dados do Portal do Empreendedor, Apucarana contava com 5.908 MEIs em junho de 2019. O número subiu para 7.007 em 2020; 8.316 no ano passado e agora chega a 9.488. 

O mesmo fenômeno foi registrado em Arapongas. O número de MEIs passou de 5.980 em 2019 para 6.990 em 2020, 8.165 no ano passado até alcançar 9.242 em 2022. Em três anos, o aumento chega a 54,5%. 

Tiago Cunha, consultor do Sebrae-PR em Apucarana, afirma que alguns fatores explicam esse crescimento de microempreendedores. O principal é a eliminação de empregos formais durante a pandemia de covid-19, o que obrigou as pessoas a empreenderem. Chamado também de “empreendedorismo por necessidade”, esse fenômeno foi a alternativa encontrada por muitas pessoas para voltar a integrar o mercado de trabalho.

O segundo fator pode ser considerado um derivado do primeiro. “Muitas pessoas já tinham um negócio. Como perderam o emprego e estavam preocupados em garantir a aposentadoria, procuraram pela formalização”, explica. Ele cita ainda um terceiro aspecto, que é o trabalho desenvolvido pelo próprio Sebrae-PR e pelas Salas do Empreendedor, que incentivaram a formalização e também ajudaram muitos empreendedores que planejavam abrir o próprio negócio a encontrar caminhos para iniciar suas empresas. 

Cunha alerta, no entanto, para o “empreendedorismo de palco”, que é uma espécie de “romantização” do empreendedorismo que costuma ganhar espaço quando é noticiado o aumento de negócios abertos. “É preciso tomar cuidado e ter a consciência que o processo de empreender exige esforço e dedicação. É uma jornada até conseguir atingir os seus objetivos”, afirma. 

Por outro lado, ele assinala que as oportunidades precisam ser aproveitadas. Para isso, o consultor afirma que o Sebrae-PR mantém cursos de capacitação e pretende instalar em breve Salas do Empreendedor em todos os 399 municípios do Paraná – atualmente esses espaços estão em 276 cidades do Estado. “A jornada do empreendedor por necessidade ou por oportunidade é a mesma no final das contas: ele precisa saber o que as pessoas querem do seu produto, estar atento às mudanças do mercado e se capacitar permanentemente”, diz.