CIDADES

min de leitura - #

Operação policial contra violência doméstica apreende armamento

Fernando Klein

| Edição de 13 de setembro de 2022 | Atualizado em 13 de setembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Operação policial contra violência
doméstica apreende armamento

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A17ª Subdivisão Policial (SDP), de Apucarana, realizou ontem uma operação para desarmar quatro homens suspeitos de usar armas de fogo para ameaçar mulheres. Um morador do Distrito do Pirapó de 47 anos foi preso com duas espingardas e um revólver calibre 32 que seriam utilizados por ele como forma de intimidação da ex-companheira. 

Os alvos da operação da 17ª SDP chamam atenção para a escalada da violência doméstica. Em apenas 12 dias do mês de setembro, o 10º Batalhão de Polícia Militar (BPM) registrou, ao todo, 65 boletins desse tipo de crime nos municípios da região. (ver box)

A operação foi realizada após investigações da Delegacia da Mulher, com mandados de busca e apreensão expedidos pelo Poder Judiciário em endereços no Distrito do Pirapó, Vila Santa Helena e Centro, em Apucarana, além de um alvo no município de Novo Itacolomi. 

Durante o cumprimento do mandato no Distrito do Pirapó, os policiais encontraram as três armas, além de munição. As investigações apontam que o dono do armamento realizou diversos disparos para intimidar a ex-companheira. Ele foi encaminhado para a Delegacia e preso pelo crime de posse ilegal de arma de fogo. O detido, no entanto, foi liberado após pagamento de fiança. 

Segundo o delegado-chefe da 17ª SDP, Marcus Felipe da Rocha Rodrigues, os mandados de busca e apreensão foram determinados pelo Judiciário com base em inquéritos em andamento na Delegacia da Mulher. “Essas investigações eram todas envolvendo violência doméstica, nas quais as vítimas relataram que, de alguma forma, os ex-companheiros estavam usando armas de fogo para proferir ameaças ou intimidá-las. Diante dessa situação, foi representada pela busca e apreensão nas residências desses indivíduos”, explica o delegado. Não foram realizadas prisões ou apreensões de drogas ou armas nos outros endereços visitados.

Marcus Felipe afirma que as mulheres devem denunciar os companheiros ou ex-companheiros “independente de envolver arma ou não”. No entanto, ele reforça que, nesses casos, a polícia irá aprofundar as investigações, solicitando a cautelar de busca e apreensão para tentar localizar as armas de fogo utilizadas para ameaçar as vítimas, como aconteceu no Distrito do Pirapó. 


Em 12 dias, PM registra 65 casos de violência na região

Nos 12 primeiros dias de setembro, a Polícia Militar (PM) registrou pelo menos 65 casos de violência contra a mulher na região. Isso significa dizer que a cada dia, desse mês, pelo menos 5 mulheres foram vítimas de algum tipo de violência, a maioria dentro da própria casa. 

Conforme levantamento junto aos boletins repassados diariamente à imprensa pelo 10º Batalhão de Polícia Militar, com sede em Apucarana e que atua em 12 cidades da região – em 13 dias, foram registradas 65 ocorrências policiais em que mulheres foram vítimas de injúrias, agressões físicas e até estupro. Em doze situações o autor foi flagrado e conduzido para a delegacia de Polícia Civil para os procedimentos legais.

No início de agosto, a Tribuna divulgou um balanço sobre a violência contra as mulheres, com base nos boletins divulgados de junho. Naquele mês foram registradas 119 ocorrências de violência contra mulher, uma média de 4 por dia na região.

Os dados são referentes apenas aos casos registrados pela PM e não incluem, por exemplo, situações em que as vítimas procuram apenas a Polícia Civil. Em Apucarana, na segunda semana de setembro, dois casos de estupro foram registrados na cidade. Uma mulher foi estuprada e agredida durante um assalto, numa chácara localizada no contorno sul da cidade, e uma adolescente, de 16 anos, foi drogada e abusada sexualmente na noite da última sexta-feira. Dos dois casos, um foi registrado apenas junto à Delegacia da Mulher.(CLAUDEMIR HAUPTMANN)