CIDADES

min de leitura - #

Parceria entre Prefeitura e Apae garante tratamento

Da Redação

| Edição de 15 de julho de 2022 | Atualizado em 15 de julho de 2022
Imagem descritiva da notícia Parceria entre Prefeitura e Apae garante tratamento

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Por meio de um contrato de prestação de serviço firmado com a Apae de Apucarana, a Prefeitura começou a garantir há seis meses tratamento de pacientes, com recursos municipais, pelo Protocolo PediaSuit de Terapia Intensiva. 

O protocolo é utilizado em pacientes com distúrbios neurológicos, como Encefalopatia Crônica não Progressiva (Paralisia Cerebral), Síndrome de Down, Mielomeningocele, Microcefalia, atrasos de desenvolvimento motor , lesões cerebrais traumáticas, entre outras condições. “É um tratamento a longo prazo, de mais de um ano, destinado a pacientes com grave comprometimento na parte motora. No início deste ano, após a parceria com a prefeitura, iniciamos o tratamento de 5 crianças, todas alunas da Apae, que estão tendo uma boa evolução. Algumas já estão se locomovendo sozinhas”, relata a diretora da Apae, Izabel Ortega.

O tratamento, detalha Izabel, é conduzido por fisioterapeutas com especialidade no curso de PediaSuit, lembrando que no momento existem 6 pacientes na lista de espera para este atendimento.

“Utilizando um colete (suit) e a gaiola (spider) é possível criar um suporte para alinhar o corpo o mais próximo do fisiológico, permitindo uma melhora da postura, ajuste de movimentos e fortalecimento dos músculos”, explica Lorena Vieira, fisioterapeuta da Apae.

Anna Sofia, de 5 anos, com diagnóstico de encefalopatia crônica não evolutiva, é prova da evolução física e motora que o tratamento PediaSuit pode proporcionar aos pacientes. A mãe Rosiane Nogueira Tosatti conta que o atendimento da sua filha teve início em janeiro na Apae de Apucarana. “Minha filha, que foi diagnosticada para levar uma vida vegetal em uma cama, hoje já troca passos com um andador”, manifesta Rosiane.

A parceria de acordo com Rosiane, interrompeu uma rotina exaustiva de viagem para Maringá. “Iniciamos o tratamento em Maringá, numa clínica particular. O custo é muito caro, em torno de R$ 14 mil por mês, e só pudemos pagar com a realização de promoções “, completa.