CIDADES

min de leitura - #

Polícia investiga pai suspeito de abusar e engravidar filha

Claudemir hauptmann

| Edição de 26 de maio de 2022 | Atualizado em 26 de maio de 2022
Imagem descritiva da notícia Polícia investiga pai suspeito de abusar e engravidar filha

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A Polícia Civil de Faxinal espera concluir nos próximos dias um inquérito que investiga o caso de um homem que teria abusado sexualmente da própria filha por mais de 10 anos. A vítima chegou a engravidar e tem um filho, do próprio pai. O homem foi denunciado e preso, em março, mas foi solto. O caso aconteceu em Borrazópolis.

O delegado responsável pela investigação, Ricardo Mendes, da delegacia de Polícia de Faxinal, explica que o caso é bastante complexo e não tem recebido colaboração de familiares. “É uma cidade pequena. Talvez as pessoas tenham medo ou vergonha das consequências”, diz.

Segundo já se apurou no inquérito, a jovem, hoje maior, foi abusada pelo pai desde os 8 anos de idade. Quando tinha 18 anos, engravidou. Um primo teria assumido a paternidade da criança. Ouvido, o rapaz admitiu que teria feito isso a pedido do tio, o abusador da jovem. O caso foi dencunciado em março após a jovem ter fugido de casa e formalizado a denúncia em outra cidade. No inquérito, o agressor ficou em silêncio e também se negou a fornecer material genético para que o DNA pudesse ser comparado ao da filha e da criança. “Ele não é obrigado a produzir provas contra si. A lei garante isso”, lembra o delegado Ricardo Mendes.

O delegado conta que a própria vítima se negou, também, a ceder material genético e afirmou que não queria mais continuar com o caso. Ricardo Mendes também revela que os irmãos da vítima não quiseram depor. “O pai da jovem tinha muito ciúmes dela. E a família suspeitou dele quando surgiu a gravidez”, conta o delegado.

O delegado ainda pretende fazer mais uma tentativa de ouvir o depoimento de uma testemunha do caso que também tem evitado a polícia. “Se não conseguir, vou dispensar e encerrar o inquérito com o que temos e encaminhar ao Ministério Público”. (CLAUDEMIR HAUPTMANN)