CIDADES

min de leitura - #

Postos começam a repassar desconto no preço do diesel

Renan Vallim

| Edição de 06 de junho de 2018 | Atualizado em 25 de janeiro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A maior parte dos postos de combustíveis de Apucarana e Arapongas reduziu o preço do diesel, seguindo determinação do Governo Federal. No entanto, boa parte deles não repassou o desconto total de R$ 0,46, garantido pelo Palácio do Planalto através de acordo com os caminhoneiros. Poucos apresentavam também o preço que era praticado antes da greve, uma orientação para que os consumidores possam comprovar o desconto. Segundo o sindicato da categoria, medida tem trazido prejuízos aos estabelecimentos.

Imagem ilustrativa da imagem Postos começam a repassar desconto no preço do diesel

Na tarde de ontem, a Tribuna realizou um levantamento de preços nos 24 postos do perímetro urbano de Apucarana. Destes, 17 tinham diesel comum, sendo vendido entre R$ 3,59 e R$ 3,19, variação de R$ 0,40, ou 12,5%. Apenas um estabelecimento não repassou nenhum desconto. Outros cinco deram descontos parciais. O restante, 11 postos, repassaram o desconto total.
Já com relação ao diesel S10, eram 14 os estabelecimentos com o produto, com preços entre R$ 3,75 e R$ 3,27, variação de R$ 0,48, ou 14,7%. Destes, um não havia dado nenhum desconto, dois aplicaram desconto parcial e 11 repassaram o desconto total. Poucos eram os postos que afixaram em local visível o preço praticado anteriormente à greve.
Em Arapongas, a reportagem identificou oito postos abastecendo com diesel comum, com preços variando entre R$ 3,19 e R$ 3,79, diferença de R$ 0,60, ou 19%. Dois postos não haviam repassado desconto, três tiveram descontos parciais e outros três aplicaram o desconto total de R$ 0,46. Seis postos ofertavam o diesel S10, ao preço de R$ 3,29 a R$ 3,89. Dois postos não haviam repassado desconto, dois deram desconto parcial e outros dois, desconto total.
Em nota, o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Lojas de Conveniências do Estado do Paraná (Sindicombustíveis-PR) diz que orientou os estabelecimentos associados a repassar o desconto total, firmado entre governo e caminhoneiros. Porém, segundo a entidade, “A maior parte das distribuidoras não adotou a redução de R$ 0,46 até o momento. Algumas distribuidoras repassaram reduções menores e outras não repassaram nenhuma redução. Apesar disso, boa parte dos postos já está praticando o desconto, absorvendo o prejuízo”.

GASOLINA E ETANOL
A pesquisa também levantou os valores da gasolina e do etanol. A gasolina comum foi encontrada em 23 dos 24 postos de Apucarana, mostrando que a comercialização do produto retomou a normalidade. Os estabelecimentos também não apresentavam filas para o abastecimento.
A gasolina comum foi encontrada, em Apucarana, custando entre R$ 4,49 e R$ 4,89. Já a gasolina aditivada, ofertada em 16 postos, estava custando de R$ 4,49 a R$ 4,89. O etanol, por sua vez, foi encontrado em todos os postos, custando entre R$ 2,85 e R$ 3,19.
Em Arapongas, todos os 15 postos de combustíveis pesquisados possuíam gasolina comum em seus estoques, ao preço de R$ 4,55 a R$ 4,79. Já a gasolina aditivada foi encontrada em 11 estabelecimentos, custando entre R$ 4,58 a R$ 4,89. O etanol, custando entre R$ 2,99 e R$ 3,09, foi encontrado também em 15 postos.

Preços também registram queda em Ivaiporã
O preço do diesel, que motivou a paralisação de caminhoneiros, também começou a baixar nas bombas dos postos de Ivaiporã. Dos nove postos do centro da cidade, sete reduziram os preços do S10, que agora é vendido entre R$ 3,33 e R$ 3,51. Já o diesel comum é encontrado na cidade com preços que variam de R$ 3,32 a R$ 3,43.
Em um dos postos, funcionários afirmaram que o estoque chegou logo após a desmobilização da greve, no dia 30, sem o desconto. Os proprietários aguardam novo carregamento de combustível para repassar o desconto ao consumidor.
Conforme Jorandi Ferreti, gerente de um posto da cidade, os preços retornaram aos valores praticados há dois meses. “Antes da greve, em média, era R$ 3,84 o S10 e R$ 3,79 o comum. Hoje, está em R$ 3,44 e R$ 3,39, respectivamente. Uma pena que o governo só vai segurar esse preço por 60 dias. A gente não abastece muitos caminhoneiros aqui no centro, é mais quem tem camionete e o pessoal da lavoura. Eles gostaram bastante”, relata Ferreti.
Em contrapartida, tanto o preço do etanol como da gasolina tiveram aumento de pelo menos R$ 0,10 por litro. Com isso a gasolina comum na cidade passou a ser comercializada entre R$ 4,39 e R$ 4,69. O etanol, de R$ 3,04 até R$ 3,19. O aumento da gasolina é resultado do aumento de 2,25% anunciado pelo governo no final da semana passada. Em um mês, o combustível acumulou alta de 11,29% nas refinarias. Já o etanol sofreu com a falta de produto no mercado, elevando o preço. (IVAN MALDONADO)