CIDADES

min de leitura - #

Prefeituras decretam situação de emergência após temporais

Fernando Klein

| Edição de 01 de novembro de 2022 | Atualizado em 01 de novembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Prefeituras decretam situação 
de emergência após temporais

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Oprefeito de Mauá da Serra, Hermes Wicthoff (PSD), assinou decreto de emergência no município, após o temporal do último sábado (29) deixar um rastro de destruição na cidade. Ao todo, 1.885 pessoas foram afetadas, o que representa 17% da população total do município, segundo boletim da Coordenadoria Estadual Defesa Civil do Paraná. Três dias após o temporal, muitos municípios da região ainda não restabeleceram serviços nem finalizaram o levantamento dos prejuízos. 

O decreto de emergência ainda precisa ser homologado pela Defesa Civil do Paraná antes de ser publicado. “Na minha opinião, a cidade foi atingida por um tornado. Nunca vi nada parecido em toda minha vida”, diz o prefeito de Mauá da Serra.

Ele assinala que o temporal com ventos fortes foi registrado por volta das 14h30 de sábado (29), derrubando árvores e provocando o destelhamento de pelo menos 170 residências, além de empresas e prédios públicos. “O vento forte destelhou a Prefeitura, Câmara, o posto de saúde principal, o Colégio Estadual João Plath e quatro escolas municipais”, conta o prefeito, que teve a própria casa também atingida.

“A energia elétrica voltou em 60% da cidade ontem à noite (segunda-feira). A zona rural e 40% da cidade estão sem luz há 72 horas”, afirma o prefeito.

A eleição de domingo (30) foi feita com uso de baterias. Por conta do temporal, o município teve a maior abstenção do segundo turno, com 27%. A cidade também sofreu com a falta de água, que começou a voltar nesta manhã.

“Estamos agora aguardando a homologação do decreto para receber recursos do governo estadual e ajudar a população com telhas e alimentos”, afirma, observando que o município já providenciou a distribuição de lonas para os afetados.  Seis famílias ficaram desabrigadas. 

A mesma medida jurídica foi adotada pela Prefeitura de Rio Bom. O prefeito Moisés José de Andrade assinou nesta terça-feira decreto de “situação de emergência”. Segundo nota divulgada perla prefeitura, as fortes chuvas causaram grandes prejuízos. Alguns trechos das estradas rurais se mantém intransitáveis.

Ainda de acordo com a nota, o temporal provocou alagamentos e danos de diversos tipos e proporções em residências urbanas e barracões de aviários na área rural, em virtude do transbordamento de rios e galerias pluviais. 

Em Ivaiporã, a prefeitura também prepara a publicação de decretos. O município foi uma dos mais atingidos na região. Segundo o boletim da Coordenadoria Estadual Defesa Civil, 420 pessoas foram afetadas e 300 casas atingidas pela tempestade.

ABASTECIMENTO

Nesta terça-feira, a Copel informou que conseguiu recompor as fontes de abastecimento a Rosário do Ivaí, que teve o fornecimento de energia totalmente cortado pelo temporal desde sábado. A empresa afirma que há ainda 418 ocorrências para atendimento pelas equipes na região. Três localidades continuam sem energia nos sistemas de abastecimento de água e, portanto, estão sendo abastecidas com água distribuída por caminhões-pipa. São eles: os distritos Vila União e Campineiro do Sul, em Rosário do Ivaí, e Flórida do Ivaí, em Grande Rios.