CIDADES

min de leitura - #

Região criou 872 postos de trabalho no 1º quadrimestre

Cindy Santos

| Edição de 06 de junho de 2022 | Atualizado em 06 de junho de 2022
Imagem descritiva da notícia Região criou 872 postos de trabalho no 1º quadrimestre

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A região encerrou o primeiro quadrimestre com 872 novas vagas de emprego. Os dados, divulgados ontem no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência, abrangem os 26 municípios do Vale do Ivaí e Arapongas. 

No ranking regional, o município de Apucarana ocupa a primeira posição com 427 postos de trabalho, seguido por Jandaia do Sul (144), Ivaiporã (131) e Marumbi (101). Arapongas, que é o segundo maior município da região, perdeu 120 postos de trabalho no período. 

O ramo de atividade que mais gerou vagas no quadrimestre foi o de serviços (713), seguido pela agropecuária (282) e construção (145). Em abril foram criados 166 postos de trabalho na região distribuídos entre  serviços (153), comércio (74) e agropecuária (64). A indústria foi o ramo de trabalho que mais perdeu postos em abril, com saldo negativo de 133 vagas. Em geral, são mais de 99,7 mil trabalhadores com carteira assinada, a maior parte na indústria (39.230), seguido pelo setor de serviços (26.971).

APUCARANA

Apucarana fechou o 1º quadrimestre com o maior saldo de empregos da região: 427 postos de trabalho. Entre janeiro a abril, foram 6.558 admissões e 6.131 desligamentos. O setor que mais gerou empregos na cidade foi a indústria – sobretudo o ramo de confecção de roupas e acessórios - com 278 vagas, seguido pelo setor de serviços com 238 vagas e pela agropecuária com 25 postos de trabalho. O comércio, que sempre esteve entre os maiores geradores de empregos, perdeu 98 vagas e a construção civil extinguiu 16 vagas.

Ainda segundo o Caged, Apucarana tem mais de 31,6 mil trabalhadores registrados, sendo que 13.960 atuam na indústria, 8.358 no setor de serviços, 7.563 no comércio, 1.313 na construção civil e 471 na agropecuária. 

O gerente da Agência do Trabalhador, Neno Leirós, atribui os resultados positivos às ações de intermediação entre trabalhadores e empresas desenvolvidas no município, com busca de vagas nas empresas e captação de pessoas que têm currículo cadastrado no sistema. 

“Temos realizado ações que geram empregabilidade. Em agosto do ano passado realizamos o 1º mutirão de emprego, depois o Paraná Cidadão e neste ano tivemos o ônibus itinerante de emprego em maio. São ações que fazem com que as vagas sejam preenchidas”, ressalta. 

Leirós também destaca as parcerias firmadas pela prefeitura com investimentos em diversos cursos de capacitação para colocar mão de obra qualificada no mercado. Com resultados positivos, a Agência do Trabalhador de Apucarana ocupa a 29ª posição entre as unidades paranaenses que mais colocaram profissionais no mercado de trabalho neste ano, além de estar entre as 100 unidades no ranking nacional, conforme levantamento da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Estado do Paraná.

De acordo com Leirós, um novo projeto desenvolvido para criar uma agência itinerante que atenderá os bairros de Apucarana deve ampliar o número de colocações no mercado de trabalho. “O objetivo é ter maior agilidade na contratação de mão de obra”, assinala. 


Paraná abriu 61,6 mil vagas de emprego no ano

O Paraná gerou, no mês de abril, 8.925 vagas de emprego com carteira assinada. Com crescimento nos quatro primeiros meses do ano, o Estado já acumula um saldo de 61.686 postos de trabalho formais em 2022. O saldo de empregos em abril é resultado da diferença entre 138.054 admissões e 129.129 demissões. O Estado foi o sétimo no País e o segundo na região Sul, quase empatado com o Rio Grande do Sul (8.939), na abertura de novas vagas no mês. No Brasil, o saldo de vagas em abril chegou a 196.966, com resultados positivos em 25 das 27 unidades da federação.

“Com resultados positivos mês a mês nas contratações, o Estado está cada vez mais próximo dos índices de pleno emprego, quando toda a população economicamente ativa está ocupada. Além da força do nosso setor produtivo, tudo isso é resultado das políticas de atração de investimentos e de empregabilidade do Governo do Estado, que facilita a vida dos empreendimentos que geram renda e novas oportunidades aos nossos trabalhadores”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. 

No acumulado do ano, foram 613.340 contratações e 551.654 desligamentos, com a soma do saldo de 18.351 novos postos em janeiro, 28.506 em fevereiro, 8.638 em março e 8.925 em abril. O Paraná foi o quinto melhor estado na geração de empregos, no período, no País, que fechou o quadrimestre com a abertura de 770.593 vagas.

O secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, Rogério Carboni, destacou que as ações das Agências do Trabalhador do Paraná, que neste ano encaminharam mais de 29 mil pessoas ao mercado de trabalho, e outros programas da pasta, como Carretas do Conhecimento e mutirões, auxiliam o Paraná na geração de empregos. “Fazemos esse trabalho na ponta, com constante diálogo com os empregadores, qualificação dos trabalhadores e a intermediação da mão de obra. São ações que fazem diferença na geração de empregos”, disse.