CIDADES

min de leitura - #

Região tem 5 mil inscritos no Enem

Fernando Klein

| Edição de 20 de outubro de 2022 | Atualizado em 20 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Região tem 5 mil inscritos no Enem

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Com provas em Apucarana, Arapongas, Ivaiporã, Jandaia do Sul e Mauá da Serra, a região tem 5.170 estudantes inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. O número é 1,6% maior em relação à edição do ano passado, quando 5.087 candidatos estavam inscritos nesses cinco municípios. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pela organização do exame. 

As provas vão ocorrer nos dias 13 e 20 de novembro, das 13h30 às 18h30. No primeiro dia, os candidatos vão fazer a redação e serão aplicadas as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias. Já no segundo dia, serão aplicadas as provas de ciências da natureza e suas tecnologias, assim como de matemática e suas tecnologias. Serão 45 questões em cada área do conhecimento, somando 180 no total. No Brasil, o número de inscritos totaliza 3,3 milhões, menor apenas que a edição de 2021, com 3,1 milhões de alunos - o menor número já registrado.

Os locais de provas ainda não foram divulgados. Quando houver o anúncio, os candidatos devem procurar essa informação no cartão de confirmação do exame, que é disponibilizado na página do participante no site oficial do Enem. 

Apucarana é o município com mais inscritos na região. São 1.777 estudantes. O número caiu em relação à edição anterior, quando foram 1.893 alunos. Arapongas também registrou queda. Neste Enem, são 1.432 candidatos contra 1.445 em 2021. Os demais municípios registram aumento de inscritos. Em Ivaiporã, o número passou de 873 para 917; em Jandaia do Sul de 631 para 709 e em Mauá da Serra de 245 para 335. 

Em Apucarana, também houve queda no número de inscritos para o Enem digital, que é a versão informatizada do exame. Foram 95 no ano passado e nessa edição são 57. 

O professor Diego Fávaro Soares, diretor do Colégio Estadual Professor Izidoro Luiz Cerávolo, de Apucarana, afirma que os estudantes estão novamente se mobilizando para o Enem após dois anos de pandemia, que foram difíceis para os jovens nesse momento de transição para o ensino superior. “Em 2022, de fato, pode ser considerado o ano da retomada das atividades escolares e acadêmicas dos alunos e eles estão engrenando ainda. Acho que a tendência é o número de inscritos no Enem voltar a crescer a partir dos próximos anos”, afirma o professor. 

Ele assinala que o Colégio Cerávolo começa, a partir da próxima semana, a realizar um trabalho especial de preparação com os alunos do ensino médio. Serão realizadas aulas de revisão dos conteúdos que vão cair no exame e também nos vestibulares das universidades estaduais que também serão realizados no final do ano. 


Alunos ainda estão desanimados, diz professor

Professor de ensino médio de uma escola particular de Apucarana, Guilherme Bomba afirma que o comportamento dos alunos do ensino médio ainda reflete os problemas no ensino registrados durante a pandemia de covid-19. 

“Podemos perceber que a procura, tanto por cursinhos como de inscritos nos vestibulares, caiu consideravelmente em relação ao período anterior a pandemia. Isso se deve ao fato de termos alunos pouco ou nada motivados, tendo como parâmetro o baixo grau de desenvolvimento entre 2020 e 2021”, afirma. 

Por outro lado, ele aponta que muitos estudantes têm se encorajado por conta da redução da concorrência. “Nesse caso, o número menor de concorrentes soa como uma possibilidade, mais do que um problema”, pontua. Bomba, no entanto, vê ainda muita diferença entre os alunos de escolas particulares e públicas. 

“Podemos considerar este fato como uma segregação ainda maior no ensino superior nos próximos dois ou três anos, já que alunos de colégios particulares, ainda que tenham comungado de muitos medos e ansiedade, tiveram uma maior e melhor estrutura, o que acaba sendo – acentuando o que já existia – um diferencial neste momento”, assinala.