CIDADES

min de leitura - #

Setor de eventos sofre com falta de mão de obra qualificada na região

Da Redação

| Edição de 07 de outubro de 2022 | Atualizado em 07 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Setor de eventos sofre com falta de 
mão de obra qualificada na região

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Profissionais de Apucarana que atuam no ramo de eventos afirmam que o setor vem crescendo, porém, sofre com a falta de mão de obra especializada. Empresários do ramo ouvidos pela Tribuna contam que houve uma debandada de profissionais da área durante a pandemia da Covid-19 e que agora enfrentam dificuldade de encontrar profissionais para atender a demanda de contratos crescente por conta da proximidade com fim de ano. 

Músico e empresário Nelson de Paula, 67 anos, disse que a agenda deu uma boa aquecida no segundo semestre deste ano. “As pessoas foram adquirindo confiança e hoje voltou praticamente ao normal”, afirma. 

Ele que atua há quase 50 anos no ramo de eventos, conta que a mão de obra sumiu porque muitas pessoas mudaram de ramo durante a pandemia da Covid-19. Ele recorda que na época, as medidas restritivas impediram a realização de festas e muita gente ficou sem trabalho. “As pessoas foram migrando para outras áreas, uma vez que os eventos estavam parados”, comenta.

O empresário no ramo de eventos Fernando Machado, 41 anos, também afirma que o setor passa por um ‘apagão de mão de obra especializada’. “Está difícil encontrar profissionais capacitados e com caráter para poder dar a confiança de trabalhar conosco, pois é muita responsabilidade”, afirma.

O empresário conta que alguns dos músicos com quem já trabalhou mudaram de ramo. “Uns mudaram-se para outras cidades e trabalham em outras áreas, outros passaram em concursos públicos e outros preferiram abrir seu próprio negócio”, comenta.

A empresária Claudia Medici, 40 anos, recorda que a pandemia interrompeu uma fase ótima dos negócios. “Foi um grande susto e ficamos abalados com tudo parando de repente. Estávamos numa fase ótima, trabalhando sem parar há 5 anos quando de repente fomos surpreendidos com tudo sendo adiado e sem prazo para retornar. Foi a pior fase de nossas vidas tanto profissional quanto pessoal, estávamos sem rumo, sem saber como seria o futuro”.

EXPECTATIVA PARA FIM DO ANO

O empresário Nelson de Paula diz que as expectativas são as melhores para este fim de ano, mesmo com eleições e Copa do Mundo. “Hoje o setor já está aquecido, se igualando ao pré-pandemia. A tendência é melhorar ainda mais, porque as pessoas estavam com saudades das festas”, comenta. 

A empresária Claudia Medici, também aposta na tendência de que a agenda estará lotada, como acontecia antes da pandemia. “Era raro ter um fim de semana de folga, mas graças a Deus estamos otimistas”, comenta a empresária.