ECONOMIA

min de leitura

Dólar cai para R$ 5,19 em dia de feriado nos Estados Unidos

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil* (via Agência Brasil)

| Edição de 10 de outubro de 2022 | Atualizado em 10 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Dólar cai para R$ 5,19 em dia de feriado nos Estados Unidos

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Em um dia de feriado nos Estados Unidos, o dólar caiu para menos de R$ 5,20, após oscilar ao longo de toda a sessão. A bolsa de valores não resistiu e recuou pela segunda vez consecutiva, pressionada pelo mercado internacional.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (10) vendido a R$ 5,191, com queda de R$ 0,022 (-0,42%). Como nos últimos dias, a cotação teve um dia de volatilidade. Pouco antes das 10h, caiu para R$ 5,16, subiu para R$ 5,21 por volta das 12h e desacelerou durante a tarde.

Com o desempenho de hoje, o dólar acumula queda de 3,78% em outubro. Em 2022, o recuo chega a 6,9%. Por causa do feriado do Dia de Colombo nos Estados Unidos, o mercado de títulos do Tesouro norte-americano não funcionou nesta segunda. Sem o maior referencial, moedas do Brasil e de outros países emergentes, como Colômbia e México, valorizaram-se hoje.

Mais influenciado pelas pressões internacionais, o mercado de ações não teve um dia tão bom. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 115.941 pontos, com queda de 0,37%. Apesar do feriado nos Estados Unidos, as bolsas norte-americanas funcionaram e caíram pelo receio de uma recessão global e pelo agravamento da guerra no Leste Europeu. Hoje, a Rússia bombardeou diversas cidades ucranianas em retaliação à destruição parcial de uma ponte na região da Crimeia, no fim de semana.

Os preços do petróleo, que tinham subido nos últimos dias, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cortar a produção, caíram hoje. Os contratos dos barris do tipo Brent – usado nas negociações internacionais – fecharam a US$ 96,19, com queda de 1,8%. Esta foi a primeira baixa depois de cinco altas seguidas.

*Com informações da Reuters