GERAL

min de leitura

Região Norte abre 2º Festival Acessibilidança Virtual, da Funarte

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 08 de junho de 2022 | Atualizado em 08 de junho de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Começa hoje (8), às 20h, o 2º Festival Acessibilidança Virtual, promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte). Até setembro, serão apresentados ao público, gratuitamente, 25 espetáculos premiados no Edital Dança Acessível – Prêmio Festival Funarte Acessibilidança Virtual, lançado no ano passado. O programa quer valorizar e fortalecer a expressão da dança brasileira, além de incentivar a democratização, a inclusão e a acessibilidade à arte da dança.

Imagem ilustrativa da imagem Região Norte abre 2º Festival Acessibilidança Virtual, da Funarte
Imagem ilustrativa da imagem Região Norte abre 2º Festival Acessibilidança Virtual, da Funarte

O festival online será exibido no canal do You Tube da Funarte, onde as montagens ficarão disponíveis para acesso pelas pessoas interessadas. A Região Norte inaugura as apresentações, com os espetáculos TA – Sobre Ser Grande, do Amazonas; Acesso Concedido e Graúna – Viver de Carimbó, ambos do Pará; Batuques da Floresta, de Rondônia; e Sobre Si, do Tocantins.

A coordenadora de Dança da Funarte, Juliana Amaral, informou à Agência Brasil que qualquer pessoa pode assistir aos espetáculos. “Toda semana, às quartas-feiras, às 20h, tem um espetáculo inédito, com recursos de acessibilidade no canal do You Tube da Funarte”. A partir do dia 22 deste mês e até setembro, serão duas apresentações por semana, às quartas e sextas-feiras. Serão quatro meses de programação inédita no canal do You Tube da Funarte.

Os 25 projetos contemplados no edital de 2021 receberam investimentos no total de R$ 870 mil, incluindo custos administrativos, cabendo a cada um o valor de R$ 32,8 mil para produzirem vídeos com espetáculos de dança com recursos de acessibilidade (audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais-Libras), para pessoas com deficiência auditiva e visual, explicou Juliana. “O intuito é que a gente consiga difundir o máximo de conteúdo de videodança possível, com recursos de acessibilidade. Ou seja, abrangendo o público em geral e o público com deficiência”.

Programação

Os prêmios foram distribuídos para grupos de dança das cinco regiões do país. No mês de julho, serão apresentados espetáculos da Região Sul (Masculino Diverso, da Cia. Lápis de Seda (SC);

Uma Fronteira Diferente, da Cia. Giro Livre, e Transversus, do Grupo Ballet de Pelotas, os dois do Rio Grande do Sul. Ainda em julho se apresentarão montagens da Região Nordeste: My (petit) Pogo, de João Paulo Pinho (CE); Corpos Turvos, do Coletivo Cida (RN); Poéticas Inclusivas em Rede, da Associação de Artistas Integrados (PE); e Entrelaces, da Cia. de Dança Loucurarte (SE).

Em agosto, poderão ser vistos também espetáculos de companhias nordestinas, como Dançando Godot, do Grupo X (BA), CoNsequêNcia, da Cia. Dança Eficiente (PI), e Nuvem de Pássaros, da Movidos Dança Contemporânea (RN). A programação de agosto segue com os espetáculos da Região Centro-Oeste: Sr. Will, da Giro 8 Cia. de Dança (GO); Movimento Mínimo Possível, da Cia. Dançurbana, (MS); Cartas ao Tempo, do Diversus Grupo de Dança (GO); e Brincância, da Cia. Theastai (MS).

Encerrando o 2º Festival Acessibilidança Virtual, serão apresentadas, em setembro, as montagens contempladas da Região Sudeste: Entre Nuvens, da bailarina Moira Braga (RJ); Janela das RecordAções, da companhia Movicena (SP); Manifesto!!!, da videoartista Estela Lapponi (SP);

Quando a Casa Virar Rua, da Quick Cia. de Dança (MG); ...percebendo...,, da ‘performer’ Andreza Aguida (SP); e Primárias, da Pulsar Cia. de Dança (RJ). Todos os espetáculos serão lançados na plataforma digital no dia de exibição.

Diversidade                                                                                                                                                                                              

A coordenadora de Dança da Funarte afirmou que dentro de cada região, os projetos estão diversos no sentido da abrangência. “Em cada região, nós procuramos abranger o maior número de estados possível. Não está concentrado tudo, por exemplo, no Amazonas ou no Rio de Janeiro. Cada região tem a sua diversidade”. Juliana Amaral destacou que, em cada região, são percebidas características específicas. “Você percebe a diversidade brasileira ao longo da narrativa do festival, que é a linguagem do audiovisual. E dança, para o audiovisual, é bem interessante”.

Na primeira edição do festival, realizada no ano passado, foram apresentados também 25 espetáculos inéditos que tiveram entre quatro e cinco meses para produzirem o material para exibição no evento.

Juliana observou ainda que o próprio prêmio é uma das primeiras ações da Funarte em relação a uma política cultural voltada para a acessibilidade e as artes. “É de grande importância para a instituição realizar esse festival. A abrangência dele é ainda maior porque, como é virtual e qualquer um pode assistir, o vídeo fica disponível na plataforma do You Tube. Então, se a pessoa perdeu na estreia, ela pode ver depois”.

Todos os vídeos do 1º Festival estão disponíveis em uma playlist no canal do You Tube. “As pessoas podem assistir as estreias deste ano e os espetáculos do ano passado”, concluiu a coordenadora de Dança.