GERAL

min de leitura

Unesco reconhece dois geoparques no Brasil; um é no RN e o outro, no Sul

(via Agência Estado)

| Edição de 15 de abril de 2022 | Atualizado em 15 de abril de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O Brasil tem dois novos geoparques globais: o do Seridó, no Rio Grande do Norte, e o do Caminhos dos Cânions do Sul, entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O selo concedido pelo Conselho Executivo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) reconhece o patrimônio geológico de importância internacional. Antes, só o Araripe, também nordestino, representava o Brasil na rede. A chancela, dizem especialistas, tem potencial de atrair investimentos de pesquisa e conservação, e chamar a atenção de estudiosos e visitantes, além de facilitar o ingresso em editais internacionais.

O Geoparque Seridó tem 2.800 km² e está no semiárido nordestino. Entre os 120 mil habitantes da região, estão comunidades quilombolas. O local abriga uma das maiores reservas minerais de scheelita da América do Sul, além de fluxos de basalto da atividade vulcânica durante as Eras Mesozoica e Cenozoica. A região tem biodiversidade única, marcada sobretudo pela caatinga.

"Do ponto de vista financeiro, teremos maior facilidade na busca de editais nacionais e internacionais, sem contar as possibilidades de parcerias com universidades, setor público e privado", comemora o coordenador científico do Parque do Seridó, Marcos Nascimento. Ele destaca ainda as pinturas e gravuras rupestres, que dão pistas sobre mais de dez mil anos de ocupação naquele território.

CÂNIONS

Já o Caminhos dos Cânions do Sul, com área de 2.830,8 km², é marcado pela Mata Atlântica. A região abriga mais de 74 mil habitantes, entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Os cânions dali, conforme a Unesco, foram formados há 180 milhões durante o desmembramento do supercontinente Gondwana. Naquela região, os habitantes pré-colombianos se abrigavam em paleotocas (cavidades subterrâneas escavadas pela extinta megafauna paleovertebrada).

Para o professor João Carlos Rocha Gré, geólogo aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a vocação do parque é sustentável para aventureiros e, principalmente, para os estudiosos. Ele ressalta a formação milenar dos caminhos dos cânions do Sul. "Os processos pluviais continuam até hoje e, vagarosamente, os cânions vão se desenvolvendo e aumentando a sua dimensão", explica.

O geoparque do Araripe fica na maior bacia sedimentar do interior nordestino, que se estende pelo sul do Ceará, noroeste de Pernambuco e leste do Piauí. O patrimônio geológico é caracterizado por importantes registros geológicos do período Cretáceo Inferior (entre 90 e 150 milhões de anos). A área de 3.441 km² foi reconhecida ainda em 2006 - antes mesmo da ratificação do rótulo geoparque global, que ocorreu em 2015.