POLÍTICA

min de leitura - #

Aliados conseguem 29 assinaturas para trâmite da PEC da Transição

Da Redação

| Edição de 29 de novembro de 2022 | Atualizado em 29 de novembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Aliados conseguem 29 assinaturas para trâmite da PEC da Transição

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Os aliados do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no Senado conseguiram nesta terça-feira reunir pelo menos 29 assinaturas para dar início à análise da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição. Entre outros pontos, o texto viabiliza o pagamento de R$ 600 de Bolsa Família (atual Auxílio Brasil) a partir de janeiro.

Para uma PEC começar a tramitar no Senado, são necessárias as assinaturas de pelo menos um terço da composição da Casa, ou seja, de 27 dos 81 senadores.

A análise da proposta começará pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Em seguida, o texto terá de passar pelo plenário principal da Casa, onde, para ser aprovado, terá de receber o apoio de pelo menos 49 senadores em dois turnos de votação. Depois disso, seguirá para a Câmara.

Só depois de concluída a análise pelas duas Casas do Congresso Nacional que o texto vai à promulgação e entra em vigor.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), informou ontem que a PEC deverá ser votada na semana que vem “com urgência e prioridade”. Segundo ele, o Senado tem o compromisso de garantir a parcela no valor de R$ 600 já a partir de janeiro.

“É absolutamente fundamental, a partir de janeiro, nós garantirmos o programa social no valor de R$ 600 para cada pessoa brasileira que tenha essa dificuldade de se sustentar e sustentar sua família”, disse Pacheco.

O futuro governo corre contra o tempo nas negociações porque quer que as regras previstas no texto sejam incluídas no Orçamento de 2023 – que, se não houver atrasos, deve ser votado até o dia 16 de dezembro.

A PEC foi apresentada nesta segunda-feira no Senado pelo relator do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI). O texto retira o Bolsa Família do teto de gastos por quatro anos e prevê, ao todo, R$ 198 bilhões fora do teto em 2023.

Além dos R$ 175 bilhões estimados para bancar o Bolsa Família, a proposta libera o governo para investir até R$ 23 bilhões nos próximos anos, fora do teto de gastos, a partir do “excesso de arrecadação” – ou seja, de tributos arrecadados acima do que estava previsto inicialmente.

“Sem a PEC, não teremos dinheiro, por exemplo, para a rede pública de saúde, para o programa Farmácia Popular, para a compra de vacinas, para a educação, em todos os níveis, para merenda escolar, para os programas de habitação popular, para a manutenção de estradas, para a segurança, para o reajuste do salário mínimo e dos servidores públicos, para o cumprimento das Leis Aldir Blanc 2 e Paulo Gustavo, para as áreas de ciência e tecnologia, incluindo a área de pesquisas, enfim, para quase nada”, afirmou Marcelo Castro.