POLÍTICA

min de leitura - #

Deputado pede suspensão da licitação do pedágio no PR em reunião com transição de Lula

Da Redação

| Edição de 17 de novembro de 2022 | Atualizado em 17 de novembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Deputado pede suspensão da licitação do pedágio no PR em reunião com transição de Lula

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Um novo modelo de pedágio ao Paraná. Essa foi a pauta de duas reuniões realizadas ontem pelo deputado Arilson Chiorato (PT) e coordenador da Frente Parlamentar sobre o Pedágio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) em Brasília. Na capital federal, o parlamentar se reuniu com a equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Sila (PT), liderada pelo futuro vice Geraldo Alckmin (PSB) e pela deputada federal reeleita Gleisi Hoffmann (PT), com quem também discutiu o assunto. Chiorato também esteve na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para tratar do tema. 

No Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o coordenador da Frente Parlamentar sobre o Pedágio e o professor Luiz Antônio Fayet, um dos coordenadores do estudo sobre o pedágio feito pelo Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), foram recebidos por Maurício Muniz, que integra o grupo de Infraestrutura do governo de transição e ex-secretário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e ex-ministro da Secretaria Nacional dos Portos.

“Foi um encontro muito produtivo. Com certeza, o pedágio no Paraná será rediscutido e um novo modelo, mais justo, deverá ser debatido com toda a sociedade. Nossa proposta é de um pedágio de manutenção nas praças já instaladas, e com serviço de qualidade nas rodovias”, avalia o deputado Arilson. 

O parlamentar frisa que, além do pedido de suspensão da proposta de concessão apresentada pelo Governo Federal em parceria com o Governo Estadual, foi entregue o estudo técnico feito pelo ITTI, da UTFPR, em que pesquisadores comprovaram falhas graves no processo de concessão do pedágio, como duplicidade de obras, falta de projetos estruturais e tarifas mais caras que as atuais em pouco tempo, o que comprometeria a competitividade econômica.

“Também entregamos toda a documentação elaborada pela Frente Parlamentar sobre o pedágio colhida durante as mais de 20 audiências realizadas por diferentes regiões paranaenses. Estou confiante que todas essas observações técnicas serão, enfim, avaliadas com o respeito que merecem”, acredita o deputado Arilson. Na semana passada, a Frente Parlamentar sobre o Pedágio protocolou o pedido de suspensão de licitação para os lotes I e II, autorizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). 

No período da manhã, na ANTT, a reunião foi com a coordenadora de Demandas Federativas, com Camila Martinez, e Sérgio Carvalho. “Reforçamos, com base no relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) e nas mais de 20 audiências públicas que a Frente Parlamentar do Pedágio realizou por todo o Paraná, a necessidade de suspender a licitação de concessão das rodovias no Paraná, pois não atende aos anseios da população paranaense, além de ser prejudicial ao nosso estado”, ressalta. A atual proposta de pedágio prevê mais 15 praças, 35 anos de contrato e, segundo o deputado, tarifas mais caras após o fim das obras.