POLÍTICA

min de leitura - #

Disputa entre Lula e Bolsonaro arrasta Igreja Católica para o debate

Adalton Vieira

| Edição de 18 de outubro de 2022 | Atualizado em 18 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Disputa entre Lula e Bolsonaro  arrasta Igreja Católica para o debate

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Adisputa entre o petista Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição ao Palácio do Planalto pelo PL, arrastou a Igreja Católica para o centro do debate eleitoral neste segundo turno. Marca da primeira fase da corrida presidencial com foco nos evangélicos, a busca pelo voto religioso mira agora todos os cristãos. Autoridades eclesiásticas tiveram de ir a público pedir “calma”, “discernimento” e “respeito” entre os fiéis, em meio às divergências e à polarização.

Ao mesmo tempo há radicalização de discursos em favor do atual mandatário ou manifestações de apoio ao ex-presidente. Padres, como Paulo Ricardo, da Arquidiocese de Cuiabá, disseram que o momento eleitoral configura uma “luta espiritual” contra o satanás, o aborto e o comunismo.

O arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer, por sua vez, teve de explicar por que usa vestes vermelhas – a cor dos cardeais -, marcou posicionamento contra a interrupção da gravidez e chegou a alertar para os riscos do fascismo. “Tempos estranhos esses nossos! Conheço bastante a história. Às vezes, parece-me reviver os tempos da ascensão ao poder dos regimes totalitários, especialmente o fascismo. É preciso ter muita calma e discernimento nesta hora!”, escreveu d. Odilo, no Twitter.

Para Vinicius do Valle, doutor em Ciência Política pela USP, especialista em religião e pesquisador do Observatório Evangélico, a atual eleição é o momento de maior tensão política para a Igreja Católica desde a redemocratização. “Não por escolha, mas porque ela foi empurrada. A Igreja Católica não tem manifestações de apoio a um candidato e, sim, posicionamentos mais ideológicos, que ora se alinham com um (candidato), ora com outro”, afirmou Valle.

AGENDAS

Nesta segunda-feira, Lula, Bolsonaro, o vice na chapa do candidato à reeleição, general Walter Braga Netto, além da primeira-dama Michelle e da senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF), que são evangélicas, marcaram presença em eventos católicos. O time de Bolsonaro foi à Noite de Clamor pelo Brasil – Terra de Santa Cruz, em um ginásio em Brasília. Padre Kelmon (PTB), candidato derrotado no primeiro turno e que não tem ligação com a Igreja de Roma, estava presente.

Com representantes católicos de Estados como Goiás e Minas, além do Distrito Federal, o ato foi uma tentativa de mostrar apoio dos católicos. O deputado Eros Biondini (PROS-MG) atuou como chefe da cerimônia. Ele anunciou que era o momento “de retirar satanás”.

À tarde, o petista recebeu o apoio de cerca de 200 religiosos, em São Paulo, entre padres, freiras e frades. No encontro com clérigos, Lula reforçou acenos ao eleitorado católico e prometeu manter diálogo aberto com a Igreja. “Eu nunca tinha visto o Brasil tomado pelo ódio como uma parte da sociedade brasileira está hoje”, afirmou.