POLÍTICA

min de leitura

Felipe D'Avila diz que Brasil não investe no aprendizado do aluno

Léo Rodrigues - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 22 de setembro de 2022 | Atualizado em 22 de setembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Felipe D'Avila diz que Brasil não investe no aprendizado do aluno

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Felipe D'Avila, candidato a presidente da República pelo Partido Novo, lamentou hoje (22) o desempenho do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Trata-se de um exame aplicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que avalia, a cada três anos, o conhecimento de estudantes de 15 em matemática, ciência e línguas. A última edição ocorreu em 2018.

"O nosso país está nos últimos lugares, e não é por conta da pandemia, não, isso é de muito tempo", escreveu o candidato em postagem nas redes sociais. Ele afirmou que, se eleito, terá como meta colocar o Brasil entre os 20 melhores do mundo. "Como vamos fazer isso? Mudar a régua e focar na educação básica. Nós gastamos muito na máquina da educação, e não no aprendizado do aluno".

O Pisa 2018 foi aplicado em 79 países e regiões envolvendo 600 mil estudantes. Gerando médias abaixo dos países da OCDE, o desempenho do Brasil lhe rendeu a 57ª posição lugar em leitura, a 70ª em matemática e a 64ª em ciências.

Notícias relacionadas:

O

Pisa 2018 foi aplicado em 79 países e regiões

 envolvendo 600 mil estudantes. Gerando

médias abaixo dos países da OCDE

, o desempenho do Brasil lhe rendeu a 57ª posição lugar em leitura, a 70ª em matemática e a 64ª em ciências.

D'Avila não teve agenda pública de campanha ao longo do dia. Amanhã (23), ele participará pela manhã de uma reunião com mulheres que integram a Young Presidents' Organization (YPO), uma organização mundial formada por líderes empresariais. O encontro ocorrerá em um restaurante em São Paulo.