POLÍTICA

min de leitura - #

Partidos entregam ao TSE manifesto pela paz

Da Redação

| Edição de 13 de julho de 2022 | Atualizado em 13 de julho de 2022
Imagem descritiva da notícia Partidos entregam ao TSE manifesto pela paz

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A pré-candidata do MDB à Presidência da República, senadora Simone Tebet, entregou nesta quarta-feira ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, um manifesto por paz nas eleições deste ano, que irão se realizar em outubro.

O manifesto refere-se ao assassinato do petista Marcelo Arruda no fim de semana em Foz do Iguaçu e a outros episódios que também envolvem o PT e a candidatura do seu adversário na disputa, Luiz Inácio Lula da Silva.

“Como noticiado pelos veículos de comunicação, no último final de semana um dirigente partidário foi brutalmente executado na frente de seus familiares durante sua festa de aniversário. Semanas atrás, também foi amplamente divulgado o caso em que se usou um “drone” para despejar um líquido malcheiroso contra os participantes de um evento de pré-campanha”, descreve o manifesto, que também é assinado pelos presidentes do MDB, Baleia Rossi, e do Cidadania, Roberto Freire, e PSDB, Bruno Araújo, partidos que apoiam a candidatura de Simone Tebet.

No fim de semana, Marcelo Arruda foi assassinado pelo bolsonarista José da Rocha Guaranho, quando comemorava seu aniversário em uma festa com temática de apoio a Lula. Em junho, um drone jogou fezes e urinas sobre manifestantes que participavam de um ato em apoio a Lula em Uberlândia (MG). Na semana passada, uma bomba com fezes foi atirada em uma manifestação petista no Rio de Janeiro.

O Partido dos Trabalhadores (PT), com algumas siglas aliadas, também entregou ontem um documento parecido com o de Simone para Moraes. O intitulado “Memorial da Violência Política contra a Oposição” é assinado por PSB, PCdoB, PV, Rede, Psol e Solidariedade. O documento lista episódios de agressões e ameaças contra a esquerda, desde 2018, o que, de acordo com o texto, culminou no assassinato do petista no último sábado. (DAS AGÊNCIAS)