POLÍTICA

min de leitura

Vera defende fim do monopólio da mídia e fortalecimento da comunicação

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 26 de agosto de 2022 | Atualizado em 26 de agosto de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A candidata à Presidência da República pelo PSTU, Vera Lúcia, disse hoje (26) que, para de fato haver liberdade de imprensa, é fundamental que não se tenha monopólio de empresas privadas na área de comunicação. Nesse contexto, a candidata defendeu o fortalecimento, por meio de "liberdade e autonomia", da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

“Defendemos a liberdade de imprensa, mas o monopólio de empresas privadas na área da comunicação impõe uma liberdade de empresas que hoje não cumprem com uma exigência democrática básica: o acesso igual e o direito às diversas fontes de informação e opinião”, disse a candidata, por meio de sua conta no Twitter..

Na avaliação de Vera, o monopólio da comunicação exercido pelas corporações da mídia, “impede o debate plural e democrático das ideias” e torna “invisíveis” atores e movimentos sociais.

A candidata disse que a não participação de candidatos com menos destaque nas pesquisas eleitorais reforça ainda mais a necessidade de construção de um sistema público de comunicação, “a partir do fortalecimento da EBC como empresa pública, com total liberdade e autonomia de produção de conteúdos pelos seus profissionais, com condições de trabalho e melhores salários”.

“Não podemos confundir sistema público com sistema de Estado ou de governo. Por isso, defendemos que a EBC seja controlada pelos seus funcionários (que serão selecionados por concursos), junto com a população, com um conselho gestor plural e democrático, sem ingerência de governo”, acrescentou

A candidata disse, ainda, que não se pode pactuar com “monopólio privado de comunicação que não cumpre com a função social de garantir o direito à informação, componente central de uma sociedade que se reivindica democrática”.