CIDADES

min de leitura - #

Afogamento no Rio Ivaí gera alerta na região

DA REDAÇÃO

| Edição de 01 de outubro de 2020 | Atualizado em 25 de janeiro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

No terceiro dia de buscas, o Corpo de Bombeiros localizou na tarde de ontem o morador de Jardim Alegre que estava desaparecido desde o último domingo no Rio Ivaí. O corpo de Marcio Alexandre, 35 anos, foi encontrado a cerca de 15 metros de onde submergiu. A morte é um alerta para os riscos gerados pelo aumento de banhistas em áreas de rios e represas na região.

O afogamento aconteceu a cerca de 500 metros abaixo da Balsa do Marolo, na divisa entre os municípios de Jardim Alegre e Grandes Rios. Ele desapareceu no rio por volta das 15h30 de domingo. 
Conforme o comandante da operação, tenente Fábio Adriano Soares da Silva, a expectativa dos bombeiros era que o corpo pudesse boiar, o que de fato ocorreu. Ele foi encontrado por volta das 14h30. “No primeiro dia foi realizado mergulho, e ontem (segunda-feira) foi também realizada varredura de superfície. O rio tem bastante corredeira e essa área onde ele se afogou é muito extensa e com grande profundidade”. 
Segundo informações de familiares, Márcio Alexandre era casado e a esposa está nas últimas semanas de gestação. As causas do desaparecimento ainda serão apuradas e um inquérito policial será aberto. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Ivaiporã.
Com o calor dos últimos dias, a procura por locais de banho cresce em toda região e o volume de visitantes em rios e cachoeiras potencializa o risco de acidentes. O tenente Fábio Adriano Soares da Silva destaca que esses locais não oferecem segurança para os banhistas. “Além dessas localidades não contarem com  guarda-vidas e qualquer tipo de apoio para salvamentos, os rios carecem de visibilidade do fundo, aumentando os riscos. O ideal é que a população só se dirija a pontos de lazer, públicos ou privados, devidamente autorizados e acompanhados pelos órgãos públicos competentes para evitar tragédias”, comenta. (ADRIANA SAVICKI E IVAN MALDONADO)