CIDADES

min de leitura - #

Alvaro aguarda manutenção de aliança na disputa pelo Senado

Claudemir hauptmann

| Edição de 08 de julho de 2022 | Atualizado em 08 de julho de 2022
Imagem descritiva da notícia Alvaro aguarda manutenção de aliança na disputa pelo Senado

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O senador e ex-governador Alvaro Dias (Podemos), depois de muitos anos, está retomando uma agenda de visitas ao interior do Estado em sua campanha para a reeleição ao Senado Federal. Ameaçado na cena política pelo ex-aliado Sérgio Moro, pré-candidato ao Senado pelo União Brasil, Alvaro Dias aposta na manutenção da aliança no Estado com o governador Ratinho Junior (PSD), que trabalhou pela eleição dos dois senadores em 2018, Flávio Arns e Oriovisto Guimarães, ambos pelo Podemos.

O senador esteve nesta sexta-feira em Apucarana, por onde retomou a agenda de visitas ao interior. Ele participou da reunião da Associação dos Municípios do Vale do Ivaí (Amuvi) – com 26 cidades – e, ainda nesta sexta-feira, o senador seguiu para Jandaia do Sul e Mandaguari.

Perguntado se ele conta com o apoio do governador Ratinho Junior, Alvaro Dias brinca e diz que deveriam perguntar se a aliança estabelecida em 2018 seria rompida ou não. Para ele, a aliança elegeu os dois senadores na ocasião e a tendência é que seja mantida agora em 2022, quando uma única vaga ao Senado está em disputa e ele tenta a reeleição. “Essa aliança, até agora, não foi rompida. E apoiamos o governo do Estado ao longo desses anos”, raciocina.

Mas Alvaro Dias também admite a possibilidade que a aliança não seja mantida. O presidente Jair Bolsonaro (PL) já manifestou publicamente a preferência por outro candidato ao Senado no Paraná, e conta com o apoio do governador Ratinho Junior, seu aliado. “Quem vai decidir se a aliança será rompida ou não serão os partidos, nas convenções. Mas é provável que seja mantida. Nossa expectativa é que permaneçamos unidos em favor do Paraná”, comenta.

Ele diz que é fato a indicação de um outro nome por parte do presidente da República e diz que, por hora, ainda não passa de uma especulação. “As circunstâncias podem determinar uma mudança de rumo”, afirma o senador. Por isso, explica, até as convenções, prefere tratar o assunto com cautela “para não avançar o sinal”. “O martelo será batido nas convenções”, repete. 

 SUJEIRA NA POLÍTICA

Embora não fale abertamente, Álvaro Dias deixa escapar uma certa mágoa com o ex-juiz Sérgio Moro, que deve oficializar candidatura ao senado na próxima semana, pelo União Brasil, depois de sair do partido de Álvaro, o Podemos.

“Não posso falar sobre esse assunto (Moro)”, diz o senador. “Estamos proibidos pela legislação e sou respeitador das leis”, explica, tangenciando o assunto. “E é muito bom não falar sobre esse assunto”, afirma.

“A população acompanha o trabalho de todos e será soberana no momento de escolher”, afirma o senador. Sobre as pesquisas, inclusive algumas que teriam dado Moro à sua frente, Álvaro Dias afirma que há muita sujeira na política e que o que vale “é o sentimento popular”, Para ele, o cidadão “aprende com o tempo, conhece melhor os políticos e, na hora certa, saberá separar o joio do trigo”.