CIDADES

min de leitura - #

Chuva volta à região, mas não alivia perdas na agricultura

Fernando Klein

| Edição de 08 de agosto de 2022 | Atualizado em 08 de agosto de 2022
Imagem descritiva da notícia Chuva volta à região, mas não alivia perdas na agricultura

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Após mais de 50 dias de seca, a chuva voltou a cair na região de Apucarana nos últimos dias. No entanto, o índice de precipitação pluviométrica registrado até agora nem de longe aliviou a agricultura. A falta de chuvas já trouxe prejuízos irreversíveis, com quebra de 20% na colheita de milho e consequências também para o trigo e a aveia, que estão na fase de desenvolvimento. 

Segundo o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), apenas 9,9 mm de chuva foram registrados desde 1º de agosto em Apucarana, sendo 3,2 mm desse total apenas nesta segunda-feira (8) até as 15 horas. 

O meteorologista Reinaldo Kneib explica que a última chuva consistente na região ocorreu em 17 de junho, quando foram registrados 17 mm. Desde então, o clima é seco. O mês de junho ainda fechou com 58,3 mm de chuva por conta das primeiras semanas, mas em julho foram apenas 3 mm. Em 2021, a situação foi um pouco melhor, com 58,4 mm em junho, 44,8 em julho e 29 mm em agosto. 

“As frentes frias não estão encontrando umidade suficiente. Por isso, a falta de chuva”, explica Reinaldo. No entanto, a expectativa é de que a chuva ainda apareça nos próximos dias. Nesta terça-feira (9), por exemplo, o site do Simepar projeta 55,8 mm para Apucarana. O Climatempo, outro instituto de meteorologia, é mais comedido, com previsão de 35 mm. 

O economista Paulo Sérgio Franzini, do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Abastecimento e Agricultura (Seab), de Apucarana, espera a confirmação da chuva para esta terça-feira. “Apenas uma chuva boa, de 50 mm, terá algum impacto, mas é importante salientar que o prejuízo já ocorreu e não há como a chuva reverter o quadro”, afirma. 

Ele explica que a região (são 13 municípios pertencentes à regional da Seab de Apucarana) está na fase de colheita do milho (segunda safra), com 55% da área prevista (55.650 hectares) já colhida. A previsão de produção é de 330 mil toneladas, com perdas de 20%. 

Além do milho, o trigo e a aveia -duas culturas de inverno- estão na fase de frutificação e maturação. “O potencial de produção também foi afetado. A chuva pode ajudar apenas as lavouras mais novas, mas o prejuízo também é inevitável”. Franzini afirma que somente após o início da colheita, dentro de 10 a 20 dias, será possível fazer uma projeção de quebra. 

A área plantada de trigo soma 40 mil hectares, com produção estimada de 118 mil toneladas. Já área plantada da aveia é de 12 mil hectares na regional, com produção estimada de 30 mil toneladas. 

A estiagem também afeta as áreas de pastagem, pressionando a alta nos custos de produção da pecuária, incluindo a de leite.