CIDADES

min de leitura - #

Postos temem falta de combustível

DA REDAÇÃO

| Edição de 12 de março de 2022 | Atualizado em 17 de março de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Já o empresário Welington Kreb, que é sócio proprietário de um posto e também atua no ramo de frutas afirma que se viu obrigado a fazer os repasses do reajuste para os os produtos comercializados nas duas empresas. “Além do estouro da alta, estamos enfrentando dificuldades para comprar combustíveis. Pedimos uma certa quantidade de um combustível e a distribuidora nos manda metade, quando muito”, revela.

Segundo ele, nesta quinta-feira, dia do aumento anunciado pela Petrobras ele tinha agendado o recebimento de 20 mil litros de gasolina. Recebeu apenas 5 mil. “Tem sido assim”, reforça. 
A possibilidade de falta de combustíveis, pondera o empresário, gera um outro problema. “Com medo de que falte combustíveis, todo mundo corre para se garantir. Com isso, acaba mesmo faltando porque os postos não conseguem repor os estoques. E pior, com todos os postos fazendo pedidos sem parar, os preços sobem”, explica.
Na noite desta sexta-feira, a gasolina era comercializada entre R$ 6,80 a R$ 7,59, segundo pesquisa no Aplicativo Menor Preço. Na quinta-feira, o preço mais baixo era R$ 6,38.