CIDADES

min de leitura - #

Preço do leite dispara e passa de R$ 5 nos supermercados

Fernando Klein

| Edição de 23 de junho de 2022 | Atualizado em 23 de junho de 2022
Imagem descritiva da notícia Preço do leite dispara e passa 
de R$ 5 nos supermercados

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O preço do leite está assustando os consumidores nas últimas semanas em Apucarana e região, principalmente entre as pessoas de baixa renda. O litro de leite longa vida (UHT), mais consumido pela população, ultrapassou a barreira dos R$ 5 e a tendência é de novas altas nos próximos dias. 

Em fevereiro, o preço médio do leite longa vida mais barato era de R$ 3,32 em Apucarana, conforme pesquisa divulgada no dia 2 daquele mês pelo campus de Apucarana da Universidade Estadual do Paraná (Unespar) em parceria com o Procon-PR. 

Ontem (23), segundo levantamento feito junto ao aplicativo Menor Preço, do governo estadual, o preço médio era de R$ 5,49, com estabelecimentos vendendo determinadas marcas a R$ 5,98. Desde fevereiro, o aumento do leite chega a 65%.

Sócio-proprietário de um mercado em Apucarana, Sérgio de Andrade Cardoso Júnior afirma que os preços aumentaram mais de 30% do mês passado para cá. “Os fornecedores dizem que o produto está em falta e já avisaram que os preços vão aumentar ainda mais na próxima semana”, afirma. Segundo ele, o valor de custo de algumas marcas já chega a R$ 5,90, o  que implica que o produto vai passar dos R$ 6.

Comparativamente, está mais barato comprar refrigerante do que leite. O preço de uma garrafa pet de 2 litros da marca mais famosa custa entre R$ 6 e R$ 8. “Há possibilidade do preço do leite longa vida, que é de um litro, chegar até R$ 7 nas próximas semanas”, acrescenta o empresário.

ALTA DOS CUSTOS

O aumento do preço do leite ocorre em todo Brasil. Segundo estudo do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab-PR), a alta nos preços do leite é reflexo do maior custo de produção, principalmente por conta do encarecimento dos grãos que compõem a ração animal, particularmente milho e soja, além dos reajustes em sequência dos combustíveis. 

A chegada do inverno - com redução de volume de pastagens - é outro fator que impacta na produção e, consequentemente, nos preços.