CIDADES

min de leitura - #

Produtores acusam perda de rentabilidade

DA REDAÇÃO

| Edição de 03 de março de 2022 | Atualizado em 17 de março de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

De acordo com Luiz Guilherme, da Cooperval, os produtores já estão acusando perda de rentabilidade nas culturas em decorrência do cenário econômico agravado desde o início da pandemia. “O nosso produtor sente impacto mais forte com a alta de preços dos insumos desde 20/21, por conta da pandemia, que provocou uma queda na produção de insumos e a consequente elevação de preços. 2021 foi o primeiro ano desde o início da pandemia com o ciclo produtivo 100% impactado em seus custos de produção. E agora tem o agravante de uma guerra”. 

Ele lembra, por exemplo, que o glifosato custava, até há algumas semanas, algo em torno de R$ 20 por litro e agora, quando encontrado no mercado, o preço já está em R$ 90 por litro.
Giovanni Gonçalves, da Coonagro reforça a leitura. Ele comenta que a tonelada de uréia era comercializada na casa de 750 dólares pouco antes da guerra e hoje já está na casa de 950 dólares. O Cloreto de Potássio, especula, deve passar da casa dos US$ 1 mil por tonelada, já a partir desta quinta-feira (03), “se for encontrado no mercado”, ressalva. O preço era cotado a U$S 880 há uma semana. “Se não houver acordo no caso da Rússia, vai faltar produto e o que tiver disponível no mercado vai ter preços disparados”, avisa.