CIDADES

min de leitura - #

Rede trifásica avança no Vale do Ivaí

DA REDAÇÃO

| Edição de 09 de março de 2022 | Atualizado em 17 de março de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A construção de redes trifásicas para atendimento às áreas rurais vem avançando nos municípios do Vale do Ivaí. A nova rede, que visa a diminuição dos desligamentos e traz mais segurança para o agronegócio regional, atingiu últimos nos dois anos mais de 370 quilômetros no Vale do Ivaí. 

Em 2020 foram entregues na região 150 km de rede. No ano passado, a Copel trabalhou em 84 obras do programa totalizando novos 224 quilômetros - um aumento de 49% em relação ao ano passado, e 54 sistemas de automação em 11 municípios. Destas, 48 encontram-se finalizadas e 36 estão em andamento. 
Entre as principais melhorias está a interligação, em fase final de construção, entre os municípios de Cândido de Abreu e Manoel Ribas, que servirá tanto para reduzir o custo para atendimento em energia trifásica às unidades rurais da região, quanto para garantir uma alternativa de suprimento a todo o município de Cândido de Abreu, em casos de temporais ou outras interferências que desliguem a rede da Copel em sua fonte principal.
Nos dois municípios foram quase 50 quilômetros de redes construídas pelo programa Paraná Trifásico. Outros municípios da região que tiveram redes trifásicas instaladas ou ampliadas no ano passado foram Apucarana, Arapuã, Ariranha do Ivaí, Bom Sucesso, Faxinal, Ivaiporã, Jardim Alegre, Rio Branco do Ivaí e Rosário do Ivaí (ver infográfico). Há, ainda, novas obras em execução nos municípios de Ariranha do Ivaí, Bom Sucesso, Ivaiporã e São João do Ivaí. 
De acordo com o gerente de obras de rede da Copel na região, Hugo Cezar Lozano Lima de Araújo, o programa tem por objetivo reforçar e modernizar a espinha dorsal das redes da Copel, substituindo a tecnologia monofásica existente. 
“Assim vamos conseguir garantir energia de mais qualidade e com maior segurança, e ainda reduzir muito o que hoje é pago pelo produtor rural para ter acesso à rede trifásica”. 
Ele explica que as obras adotam um padrão construtivo com postes mais robustos, cabos protegidos contra o toque da vegetação e dotados de equipamentos que reduzem a necessidade de intervenção humana para a normalização do fornecimento, em casos de desligamentos.
Em todo o Paraná, o programa já aplicou R$ 757 milhões na construção de novas redes. E em 2022 a iniciativa vai investir mais R$ 450 milhões, em todas as regiões do Estado.