CIDADES

min de leitura - #

Vale é destaque em redução de vulnerabilidade

Da redação

| Edição de 02 de junho de 2018 | Atualizado em 25 de janeiro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O Governo do Estado melhorou a condição de vida de famílias em 95% dos municípios paranaenses. Esse valor é o resultado do monitoramento feito pela equipe técnica da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social, que analisou a evolução média do Índice de Vulnerabilidade das Famílias do Paraná (IVF-PR), no período entre 2013 e 2017. Dos dez municípios com maior redução no índice médio de vulnerabilidade, nove são de pequeno porte, ou seja, possuem até 20 mil habitantes. O ranking é liderado por Novo Itacolomi, no Vale do Ivaí. De 2013 a 2017, as famílias tiveram redução de 34,74% no índice médio de vulnerabilidade. Outros dois municípios da região se destacaram na redução do índice.

Imagem ilustrativa da imagem Vale é destaque em redução de vulnerabilidade

Em seguida estão São Sebastião da Amoreira (Norte), Pranchita, Boa Esperança do Iguaçu, Esperança Nova, Ariranha do Ivaí, Grandes Rios, Indianópolis, Bom Sucesso do Sul e Cascavel (grande porte).
Os resultados foram compartilhados pela secretária da Família, Fernanda Richa, com toda sua equipe. “Alcançar esses números só foi possível com o comprometimento não só da nossa Secretaria da Família, mas de várias outras secretarias e órgãos do Estado, em uma gestão única, respeitando os municípios, independente da bandeira partidária”, afirmou a secretária.
O IVPR foi criado em 2012 pela Secretaria da Família em parceria com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), para selecionar a inclusão no programa Família Paranaense. A ferramenta identifica e mensura o grau de vulnerabilidade de uma família, a partir de informações do Cadastro Único dos Programas Sociais (CadÚnico).
O cálculo leva em consideração indicadores importantes da situação familiar que ultrapassam o critério da insuficiência de renda. São considerados 19 componentes distribuídos em quatro dimensões: adequação do domicílio, perfil e composição familiar, acesso ao trabalho e renda, e condições de escolaridade. O índice varia entre 0 e 1, sendo que quanto mais próximo de 1, mais vulnerável socialmente está essa família.
Segundo o levantamento, em 381, dos 399 municípios do Estado, as famílias apresentaram melhoria nas condições de vida, de escolaridade e de acesso ao trabalho e renda. No geral, a média de redução do índice médio de vulnerabilidade das famílias foi de 11%, sendo que o município com melhor resultado chegou a reduzir 35%. Em 2013, a média dos índices dos municípios era 0,2743. Quatro anos depois, esse número caiu para 0,2447.
No comparativo que analisou as condições de vida de 734.260 famílias, nos anos de 2013 e 2017, foi identificado que 553.757 delas tiveram impacto positivo no índice de vulnerabilidade, o que representa 75% de melhoria. De acordo com Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a extrema pobreza foi reduzida em 57%.

Repasses geram impacto positivo
A secretária Fernanda Richa afirma que a superação da vulnerabilidade social é resultado do fortalecimento de políticas de proteção social e de iniciativas para promover o crescimento econômico e a geração de emprego e renda.
“O programa Paraná Competitivo levou empresas a se instalarem em todas as regiões do Estado. Isso gerou condições de trabalho, melhoria de renda e melhoria do desenvolvimento dos municípios. Com o Família Paranaense abraçamos esta causa e melhoramos a vida dos paranaenses como um todo”, avalia a Fernanda.
O Família Paranaense, lançado 2012, tem ações integradas que envolvem políticas públicas de 19 secretarias e órgãos estaduais. O programa dá apoio para que as famílias saiam da situação de vulnerabilidade social e conquistem sua autonomia e emancipação.
“Os repasses para os municípios geraram impactos muito positivos. Em 2010, foram repassados R$ 15 milhões. Em 2017, a soma chegou a R$ 110 milhões. Um aumento de mais de 600%. A assistência social foi priorizada no período de 2011 a 2017”, explicou o assessor técnico de Planejamento e Gestão da Informação, da Secretaria da Família, Thiago de Angelis.