ECONOMIA

min de leitura

Dólar sobe para R$ 5,21 à espera de dados da economia americana

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil* (via Agência Brasil)

| Edição de 06 de outubro de 2022 | Atualizado em 09 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Dólar sobe para R$ 5,21 à espera de dados da economia americana

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

As expectativas em torno de divulgação de dados da economia norte-americana dominaram o mercado financeiro nesta quinta-feira (6). O dólar subiu e voltou a superar a barreira de R$ 5,20. Com a ajuda do preço internacional do petróleo, a bolsa teve a quinta alta consecutiva.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,21, com alta de R$ 0,026 (+0,5%). A cotação teve um dia de oscilações, com a moeda caindo para R$ 5,17 pouco antes da 10h e subindo para R$ 5,22 uma hora depois.

O mercado de ações teve um dia mais otimista. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 117.561 pontos, com alta de 0,31%. O indicador chegou a subiu 0,98% às 11h, mas desacelerou ao longo do dia. Mesmo assim, a bolsa brasileira teve ganhos pela quinta sessão seguida, sustentada por ações da Petrobras, as mais negociadas.

Os papéis ordinários (com votação em assembleia de acionistas) da Petrobras subiram 2,95%. As ações preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) avançaram 3,41%. A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de cortar a produção continua repercutindo no mercado global.

Nesta quinta, o dólar subiu em todo o planeta em meio às expectativas de divulgação da criação de empregos nos Estados Unidos. Caso a geração de vagas se desacelere, isso reduzirá as pressões para o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) aumentar os juros acima do previsto.

No entanto, novas declarações de diretores do Fed mostraram o compromisso do órgão em manter os juros altos pelo tempo necessário para segurar a inflação nos Estados Unidos, fazendo o dólar subir em todo o planeta. Taxas mais altas em países desenvolvidos estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters