ESPORTES

min de leitura - #

Nem todos são Brasil: Apucarana tem torcida de outras seleções

Vitor Flores

| Edição de 21 de novembro de 2022 | Atualizado em 21 de novembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Nem todos são Brasil: Apucarana tem torcida de outras seleções

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Não são todos que acompanham futebol, mas a Copa do Mundo, o maior evento do esporte, sempre consegue chamar atenção. Para quem vive em um país representado no torneio, como é o caso do Brasil, não há como fugir. No entanto, há muitos torcedores de outras seleções, até mesmo alguns brasileiros que não gostam da equipe comandada pelo técnico Tite. 

É o caso do funcionário público apucaranense Márcio Cezar Pereira Lima. Ele não torce para o Brasil desde 1998, ano em que a equipe nacional caiu na final do mundial para a seleção francesa. Na Copa de 2006, ele resolveu começar a torcer para a rival Argentina. 

“Comecei a torcer para a Argentina depois da Copa de 98, quando aconteceu tudo aquilo na final do Brasil contra a França, enfim, o que todo mundo já sabe o que houve. Desde então o futebol brasileiro não foi mais o mesmo, os jogadores sempre jogando sem patriotismo, muitos preocupados só com a aparência e com o dinheiro, deixando o país e a camisa da seleção de lado. Geralmente, os jogadores convocados têm empresários fortes, ou seja, nem sempre vai para a seleção quem merece mais”, explicou o apucaranense. 

O corintiano Márcio ressalta que a força de vontade da seleção argentina é algo que o conquistou. “Eles têm orgulho de vestir o manto, isso é mostrado em campo, os jogadores saem esgotados dos jogos, pois se doam pelo país, diferente do Brasil, que quando um jogador perde a bola, fica parado e reclama do outro, quando não procura a câmera para acertar o cabelo. Por isso, e por ser corintiano, que não torço pelo Brasil. Todo mundo sabe que o Corinthians é um time que joga com raça igual a seleção da Argentina”, compara. 

Outro morador de Apucarana, mas esse nascido em Buenos Aires, capital da Argentina, é Carlos Alberto Aballay. O professor “porteño”, que mora no Brasil desde 1993, não deixará a seleção de seu país de lado. O que não significa que não torcerá também para os brasileiros no Catar. 

“Na Copa do Catar vou torcer pela Argentina e pelo Brasil. Mas não perguntem se os dois se enfrentam. Torcerei um tempo para cada um. Com certeza minha torcida será para meu país ganhar. Mas se Argentina for eliminada, meu coração será brasileiro. O Brasil é um país ao qual adotei e me adotou”, disse.

Outra seleção que tem seus torcedores em Apucarana é a de Portugal. Paulo Pereira dos Santos, nascido no país europeu, chegou no município apucaranense com 21 anos. Hoje, com 56, não esconde que, apesar de ter uma esposa e filhos brasileiros, seu coração pende para a seleção de Cristiano Ronaldo.

“Eu torço para Portugal, quando tem jogo entre Brasil e Portugal no fundo mesmo a gente torce para a seleção portuguesa, que é o país de origem, nasci lá. Não tem como não torcer. Mas torço pelo Brasil também, quando joga contra os outros times”, diz. 

Seleção da Argentina tem torcedores na cidade 

•Funcionário público apucaranense Márcio Cezar Pereira é torcedor declarado dos “hermanos”