GERAL

min de leitura

Brasil vai na contramão mundial e diminui a pobreza extrema, diz Ipea

Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 10 de agosto de 2022 | Atualizado em 10 de agosto de 2022
Imagem descritiva da notícia Brasil vai na contramão mundial e diminui a pobreza extrema, diz Ipea

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Na contramão do aumento mundial das taxas de extrema pobreza, o Brasil deverá terminar 2022 com uma queda significativa no índice devido a medidas de assistência social, informou hoje (10) o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo.

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, é o entrevistado no programa A Voz do Brasil.
O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, é o entrevistado no programa A Voz do Brasil. - Valter Campanato/Agência Brasil

Segundo explicou o economista, famílias que vivem em estado de extrema pobreza - quando a soma da renda de todos os integrantes não ultrapassa US$ 1,90 ao dia - deverão cair para 4,1% até o final de 2022. Em 2019, as famílias nessas condições eram 5,1% do total dos lares brasileiros.

“De fato, esse choque está sendo observado no mundo. Isso é uma previsão do Banco Mundial. Mas, o Brasil - devido às políticas de mitigação dos efeitos da covid-19 - caminha no sentido oposto”, informou Erik Figueiredo.

O presidente do Ipea falou sobre a dinâmica que o governo federal criou entre os benefícios sociais e as medidas de cortes impostos, de gastos e também as privatizações, que geraram receitas extras para impulsionar a retomada econômica.

Figueiredo também rebateu críticas feitas aos programas de estímulo social, que teoricamente reduzem empregos formais de base pelo desestímulo da renda facilitada. Segundo o presidente do Ipea, a realidade mostrou-se diferente e o investimento em programas sociais e o trabalho formal têm crescido paralelamente no Brasil. Dados recentes do Caged confirmam que o emprego formal tem crescido no Brasil

“É o que chamamos de rampa de ascensão social. O maior sucesso de um programa social é fazer com que as pessoas não dependam mais dele no futuro. O programa dá comodidade, segurança para a família, para que essa família possa buscar uma alocação melhor no mercado de trabalho; seja via qualificação ou seja via uma procura mais tranquila”, elucidou.

Assista à entrevista no programa A Voz do Brasil