GERAL

min de leitura

Cristo Redentor cria canal para denunciar crimes na Baía de Guanabara

Léo Rodrigues - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 18 de janeiro de 2023 | Atualizado em 18 de janeiro de 2023
Imagem descritiva da notícia Cristo Redentor cria canal para denunciar crimes na Baía de Guanabara

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O Santuário Cristo Redentor, administrado pela Arquidiocese do Rio de Janeiro, terá uma canal online para receber denúncias de crimes ambientais na Baía de Guanabara. A iniciativa é parte de uma

plataforma multidigital

lançada em cerimônia na noite de hoje (18). Intitulada Braços Abertos Sobre a Guanabara – Um pacto que gera impacto, ela está acessível ao público.

"É um tecnologia a serviço de toda a população e das instituições. E que nasce a partir do nosso olhar. Daqui, podemos contemplar a baía e queremos interferir positivamente", disse o reitor do santuário, Padre Omar. O religioso afirmou que o objetivo é mobilizar as pessoas e aproveitar a mídia espontânea gerada pelo Cristo Redentor. Em seu discurso, Padre Omar fez ainda menção à inauguração do monumento em 1931. "O Cristo Redentor viu essa baía limpa 90 anos atrás".

Memória

Notícias relacionadas:

A plataforma multidigital foi lançada no Dia da Baía de Guanabara, estabelecida pela Lei Estadual 3616/2001 para lembrar um dos maiores desastres ambientais do país. Nesta mesma data, em 2000, ocorreu o rompimento de um duto da Petrobras que ligava a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) a um terminal na Ilha D'Água. Foram liberados 1,3 milhão de litros de óleo cru, formando uma mancha escura que se estendeu por mais de 50 quilômetros quadrados.

A partir do Santuário Cristo Redentor, é possível ter uma visão panorâmica da Baía de Guanabara. Segundo a Arquidiocese do Rio de Janeiro, em um perspectiva sustentável, o monumento é um grande observatório de diferentes ativos ambientais associados à imagem da capital fluminense. Nesse sentido, a proposta é que a plataforma contribua para direcionar um olhar mais atento em favor da preservação.

Serão trabalhados dois pilares. O primeiro deles envolve justamente as denúncias. Poderão ser abordados temas variados como saneamento, inavegabilidade, pesca desregulada, pirataria, contrabando, segurança pública, resíduos sólidos, etc. Haverá um trabalho de triagem e direcionamento aos órgãos competentes.

O segundo pilar serão os anúncios. A plataforma abrirá espaço para divulgação de eventos diversos e atividades de formação e capacitação realizadas por instituições e empresas parceiras. "Haverá ações recorrentes de divulgação e conscientização no entorno da Baía de Guanabara. Também será estruturado um plano de comunicação com notícias e programas ligados à temática da sustentabilidade", informa em nota o santuário.