GERAL

min de leitura

MJ prorroga treinamento de força-tarefa para atuar em presídios

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 08 de junho de 2022 | Atualizado em 08 de junho de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Portaria do Ministério da Justiça e Segurança Pública publicada no Diário Oficial da União de hoje (8) prorroga o emprego da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), “em caráter episódico e planejado”, para treinamento e sobreaviso tendo em vista a situação carcerária dos estados federados.

Imagem ilustrativa da imagem MJ prorroga treinamento de força-tarefa para atuar em presídios
Imagem ilustrativa da imagem MJ prorroga treinamento de força-tarefa para atuar em presídios

A medida tem por objetivo a preparação do grupo para lidar com eventuais “situações extraordinárias de grave crise no sistema penitenciário”, conforme informado pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

De acordo com a Portaria nº 96, a prorrogação valerá por 45 dias, no período de 14 de junho a 28 de julho de 2022. O treinamento ocorrerá na Penitenciária Federal de Brasília e terá o apoio logístico e a supervisão do Depen.

O número de profissionais a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento definido pelos entes envolvidos na operação. Segundo o Depen, a força-tarefa exerce a coordenação das atividades de guarda, vigilância e custódia de presos.

“Além disso, apoia a execução das assistências previstas na Lei de Execução Penal: assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa, garantindo a humanização da pena. Todas as aplicações são baseadas nos modelos adotados pelo Sistema Penitenciário Federal (SPF)”, detalhou, à Agência Brasil, o Depen.

O departamento lembra que também está no escopo da força-tarefa a transmissão de conhecimentos para os servidores das unidades federativas, por meio de treinamentos, “tanto em cursos de formação profissional quanto em cursos rápidos e específicos, como uso de tecnologias materiais menos letais, escolta, entre outros”.