GERAL

min de leitura

Polícia apreende produtos de luxo falsificados em município do Rio

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 29 de novembro de 2022 | Atualizado em 29 de novembro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial realizou, nesta terça-feira (29), uma operação contra lojas virtuais que comercializam produtos de luxo falsificados por meio de redes sociais. A ação aconteceu após um trabalho de inteligência e investigação. Os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão no município de São Gonçalo e apreenderam camisas, calças, bolsas, malas, calçados e relógios piratas de marcas famosas, como Louis Vuitton, Gucci e Christian Dior.

O delegado Pedro Brasil, disse que "ficou apurado que os investigados comercializavam produtos de marcas de luxo falsificados utilizando-se da prática conhecida como "dropshipping". Trata-se de uma modalidade de comércio na qual os vendedores não dispõem de grandes estoques de produtos, nem são responsáveis pelo seu frete, mas apenas administram sites que funcionam como intermediários entre os compradores e as grandes plataformas, que enviam diretamente os produtos aos clientes".

De acordo com o delegado, a especializada tem atuado no combate à pirataria para coibir a venda de produtos falsificados, que traz prejuízo às indústrias e aos consumidores, e com o objetivo de asfixiar financeiramente organizações criminosas que obtêm lucro a partir dessas atividades ilícitas.

Na ação, os policiais também apreenderam aparelhos de telefone celular, computadores e outros objetos, que serão analisados no andamento da investigação. A delegacia também vai apurar se duas plataformas de compra e venda pela internet atuam cientes da venda de mercadoria pirata por meio da prática do “dropshipping”.

Os responsáveis pelas lojas virtuais foram conduzidos à delegacia e prestaram depoimento sobre a origem dos produtos comercializados. Eles responderão, a princípio, por crime contra a propriedade industrial.