POLÍTICA

min de leitura - #

Bolsonaro ataca Lula em campanha no Paraná

Da Redação

| Edição de 31 de agosto de 2022 | Atualizado em 31 de agosto de 2022
Imagem descritiva da notícia Bolsonaro ataca Lula em campanha no Paraná

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Em campanha no Paraná pela reeleição, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), afirmou nesta quarta-feira, em Curitiba, que “um ladrão quer voltar à cena do crime”, em referência ao candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, e reforçou sua aliança com o governador Ratinho Júnior (PSD). Bolsonaro participou de uma motociata na cidade e fez um comício no fim da tarde na Boca Maldita, ao lado de Ratinho Júnior. “Tem um ladrão que quer voltar à cena do crime. Não vai voltar à cena do crime. Espero que da próxima vez que for para a cadeia, não venha para Curitiba”, discursou o presidente.

Bolsonaro chegou por volta das 16h30 à Boca Maldita e atacou a esquerda, que chamou de “comunista”, em seu discurso. “No comunismo não tem liberdade, as pessoas não têm propriedades. A esquerda quer a liberação das drogas. Jamais seremos a favor da legalização do aborto. Jamais seremos a favor da ideologia de gênero”, repetiu o que tem sido a tônica de seus discursos de campanha.

O presidente disse que o país está em situação econômica “invejável” e destacou a parceria com Ratinho Júnior no Paraná. “O Ratinho Júnior cada vez mais se aproxima de nós. É um parceiro confiável”, afirmou.

Ratinho Júnior, por sua vez, disse que o Paraná deve ter “gratidão” com Bolsonaro. “O governo federal foi o que mais investiu no Paraná nos últimos 30 anos. O seu governo tirou do papel a ponte Brasil-Paraguai, a Estrada Boiadeira e outras obras que estavam paradas”, citou. “A maior votação do senhor será no Paraná”, previu o governador.

Dois candidatos do campo bolsonarista ao Senado estiveram presentes, ou sejam, os deputados federais Paulo Martins (PL) e Aline Sleutjes (PROS), mas só Martins discursou. Ele foi apoiado por Bolsonaro e pelo líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (PP). (EDITORIA DE POLÍTICA)