POLÍTICA

min de leitura - #

Bolsonaro critica “revisão da vida toda” do INSS

DA REDAÇÃO

| Edição de 12 de março de 2022 | Atualizado em 17 de março de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que a proposta de “revisão da vida toda” do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), tem potencial para “quebrar o Brasil”.

A “revisão da vida toda” é um novo cálculo da média mensal que baseia o valor das aposentadorias. Essa nova regra, se for validada pelo STF e entrar em vigor, considerará todos os salários do trabalhador – mesmo os anteriores a julho de 1994, pagos em moedas como o cruzeiro real e o cruzeiro.
Questionado por um apoiador na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que não é contra a revisão – mas, em seguida, questionou se há dinheiro para pagar eventuais aumentos dos valores de aposentadorias e pensões.
“Não vou entrar em detalhes, trezentos e poucos bilhões de reais. Querem quebrar o Brasil. A decisão é lá do Supremo. Que tu acha? Tem que ir pra frente ou não? Precatórios pegaram desde Fernando Henrique (Cardoso) e botaram no meu colo. Previdência é a mesma coisa. Mesma coisa não, né, colo de vocês todos. Se o governo tem como pagar R$ 300 bilhões, tudo bem”, respondeu o presidente.
Ao final da conversa, Bolsonaro ouviu um áudio no celular de um apoiador e voltou a falar do tema. “Não sou contra rever, não. Quem vai pagar? Tem dinheiro para pagar?” indagou. “Eu não vou discutir esse assunto porque a dívida dá mais de R$ 300 bilhões”.
Caso seja reconhecida, a revisão poderá ser pedida pelos trabalhadores que começaram a contribuir para o INSS antes de 1994 e que se aposentaram depois de 1999. O caso chegou ao STF e era debatido em plenário virtual, com votos dos ministros no sistema eletrônico da Corte.
O placar estava em 6 a 5 a favor de aposentados e pensionistas quando o ministro Nunes Marques, indicado por Bolsonaro, apresentou pedido de destaque e suspendeu o julgamento. A análise recomeçará do zero no plenário físico – a data ainda não foi definida.