POLÍTICA

min de leitura - #

Câmara quer ruas de lazer no centro e bairros de Apucarana

Da Redação

| Edição de 18 de outubro de 2022 | Atualizado em 18 de outubro de 2022
Imagem descritiva da notícia Câmara quer ruas de lazer no centro e bairros de Apucarana

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

ACâmara de Apucarana provou na sessão ordinária desta segunda-feira projeto de lei que institui no município o Programa Ruas de Lazer, a ser implantado tanto no centro como em todos os bairros da cidade. A proposta, única matéria constante da pauta de votação, é de autoria dos vereadores Luciano Facchiano (PSB), Luciano Molina (PL) e Rodrigo Recife (união Brasil).

O programa consiste na destinação temporária de trechos de vias públicas aos sábados, domingos e feriados, em determinados horários ou períodos, para utilização da população com atividades de lazer, esportivas, culturais e recreativas. O objetivo da proposta é proporcionar às famílias apucaranenses uma nova opção de lazer e recreação com suas crianças através de ações de convivência e de democratização dos espaços públicos.

O projeto baseia-se em outros já existentes pelo Brasil, a exemplo da Avenida Paulista, que é uma das mais movimentadas de São Paulo, porém é fechada ao trânsito aos domingos e feriados, em determinado período do dia, para dar lugar a atividades culturais, esportivas e recreativas dos moradores.

O vereador Luciano Molina observou que no começo, quando o projeto foi implantada na Avenida Paulista, muita gente reclamou. Mas é um projeto que deu certo e hoje é considerado um sucesso. Ele disse acreditar que essa proposta realmente saia do papel. Para o vereador Luciano Facchiano, trata-se de oferecer às famílias um espaço de confraternização próximo do lugar onde vivem.

No final da sessão, houve uma discussão no grande expediente entre os vereadores Lucas Leugi (PP) e Luciano Molina (PL) sobre a construção do Hospital de Apucarana, cuja obra está em fase de licitação. Leugi denominou o hospital de “postão”, já que é de pequeno porte e só deverá entregue somente às vésperas das eleições municipais em 2024. Já Molina não gostou do termo “postão”. Segundo ele, em posto de saúde não se faz cirurgias, o que será feito no futuro hospital. “É melhor ter um pequeno hospital com 40 leitos, do que não ter. São 40 pacientes que vão desafogar o atendimento do Hospital da Providência”, disse Molina, observando que posteriormente o hospital poderá ser ampliado.

Nesta segunda-feira, a Câmara de Apucarana realizou ainda duas sessões extraordinárias. Na ocasião foram aprovados dois projetos de lei do Executivo que autorizam a abertura de créditos adicionais, um que transfere R$ 50 mil para a Casa do Dodô e outro que transfere R$ 30 mil para o Projeto Renascer.