POLÍTICA

min de leitura - #

Ciro Gomes diz ser alternativa ante as “lutas de ódio”

Da Redação

| Edição de 09 de setembro de 2022 | Atualizado em 09 de setembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Ciro Gomes diz ser alternativa ante as “lutas de ódio”

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Os candidatos do PDT à Presidência da República e ao Governo do Estado, Ciro Gomes e Ricardo Gomyde, respectivamente, estiveram na manhã desta sexta-feira em Londrina, onde fizeram uma caminhada no Centro da cidade e discursaram para o público presente. Também marcaram presença na atividade de campanha o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, a candidata do PDT a vice-governadora, Eliza Ferreira, e a candidata do partido ao senado, Desiree Salgado.

Ciro destacou que é necessário dar ao povo brasileiro uma alternativa, diante da mais complexa e profunda crise social e econômica da história do País. “Como vamos achar o caminho para resolver essa crise social e econômica, em que a decadência na educação e na saúde condena o Brasil a um atraso mais vil, comparado com outras nações? Temos hoje duas lutas de ódio e estão obrigando a sociedade brasileira honesta a escolher entre o que seria o mais ou o menos corrupto. Isso não pode dar certo, está dividindo a nação brasileira. Por isso, pelo coração da gente trabalhadora do Paraná, da gente hospitaleira de Londrina, peço que me ajudem a mudar o Brasil, um grande movimento que devolva o país às mulheres, crianças, negros, aos que estão endividados, a quem trabalha, a quem produz, para encerramos definitivamente este tempo de ódio”, afirmou.

Ricardo Gomyde, por sua vez, destacou que só o PDT pode levar o Brasil até um porto seguro. “Estamos crescendo agora, os eleitores estão prestando mais atenção na eleição e nas nossas propostas. O PDT vai estar no segundo turno, para o Governo do Estado e para a Presidência, e aí ganharemos as eleições”, afirmou.

Depois do compromisso em Londrina, a dupla Ciro Gomes e Gomyde seguiu para Maringá. (EDITORIA DE POLÍTICA)