POLÍTICA

min de leitura - #

Moraes diz que ainda tem muita gente para prender

Da Redação

| Edição de 14 de dezembro de 2022 | Atualizado em 14 de dezembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Moraes diz que ainda tem muita gente para prender

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Dois dias depois das cenas de vandalismo em Brasília, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Alexandre de Moraes, afirmou, durante uma palestra nesta quarta-feira, que “ainda tem muita gente para prender e muita multa para aplicar”.

Na sua fala, Moraes não se referiu especificamente à série de ações violentas promovidas por um grupo que protestava contra a prisão de um apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). A declaração foi dada na sequência de uma fala do ministro do Supremo Dias Toffoli, também presente no evento, que citou a invasão do Capitólio nos Estados Unidos, em janeiro de 2021, e o número de prisões e acordos feitos naquele país sobre o episódio.

Os atos em Brasília deixaram um rastro de destruição na região central da capital federal, com ônibus e carros incendiados. Ninguém foi preso.

Moraes deu a declaração ao discursar no seminário “STF em ação”, cujo tema foi “O Guardião da Constituição e a Harmonia entre os Poderes”. O ministro não deu detalhes nem citou caso específico

Ao discursar, Moraes declarou: “Fiquei feliz com a fala do ministro Toffoli porque, comparando os números, ainda tem muita gente para prender e muita multa para aplicar.”

Por sua vez, ao citar a necessidade da defesa da verdade factual como nos Estados Unidos, Toffoli disse que “temos que não transigir com a informação”. “964 pessoas já foram detidas e acusados de crimes cometidos desde 6 de janeiro”, afirmou o ministro. “465 fizeram acordos se declarando culpados com o Ministério Público. O julgamento dos líderes que não fizeram acordo com a promotora começou e já ocorreram duas condenações por conspiração sediciosa”, emendou

Na fala, Toffoli diz que as penas ainda estão sendo definidas, mas podem chegar a 20 anos de prisão. “Quem imaginava que ia ter uma invasão no Capitólio?”, questionou o ministro. (ESTADÃO CONTEÚDO)