CIDADES

min de leitura - #

Apucarana e Arapongas ganham 2,5 mil empresas

Da Redação

| Edição de 10 de outubro de 2022 | Atualizado em 10 de outubro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A ampliação das vagas de emprego formal por conta do fim das restrições com a pandemia de covid-19 gerou uma redução no saldo de empresas abertas em Apucarana e Arapongas entre janeiro a setembro de 2022. O saldo positivo ficou em 2.530 nos dois municípios contra 2.953 no mesmo período do ano passado, uma redução de 14,3%. 

Foram abertas 4.399 empresas e fechadas 1.869 entre janeiro e setembro de 2022 em Apucarana e Arapongas. Já no mesmo período de 2021 foram abertas 4.467 e fechadas 1.514. 

Apucarana abriu 2.269 empresas e fechou 999 no ano até agora, com saldo de 1.270. No mesmo período do ano passado, foram abertas 2.149 e fechadas 740, com saldo de 1.409. 

Já Arapongas abriu 2.130 empresas e fechou 870 de janeiro a setembro de 2022, com saldo de 1.260. No ano passado, no mesmo período, foram 2.318 empresas abertas, 774 fechadas e saldo de 1.544. Os dados são da Junta Comercial do Paraná (Jucepar). 

O consultor do Sebrae-PR de Apucarana, Tiago Cunha, afirma que muitos empreendedores acabaram fechando seus CNPJs em busca de maior segurança no mercado formal, trabalhando com carteira assinada. Segundo ele, a decisão de abandonar o empreendedorismo é reflexo da retomada das contratações em alguns segmentos. “A segurança em relação ao emprego formal em comparação com os riscos que os empreendedores correm ao abrir seus negócios também é um fator preponderante”, analisa. 

EMPREGOS

Apucarana gerou 802 postos de trabalho entre janeiro a agosto deste ano, segundo os últimos dados de agosto do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A maior parte das vagas está na indústria (345), seguido pelo setor de serviços (330). A construção (60), comércio (39) e agropecuária (28) também criaram vagas.

Em Arapongas, 387 vagas foram geradas no período. O setor com melhor desempenho neste quesito foi o de serviços (361), seguido pela construção (237) e pelo comércio (116). A indústria, por sua vez, extinguiu 300 postos de trabalho no período e a agropecuária perdeu 27.