CIDADES

min de leitura - #

Cafeicultora de Ivaiporã aposta em tecnologia para driblar perdas na safra

Da Redação

| Edição de 24 de janeiro de 2023 | Atualizado em 24 de janeiro de 2023
Imagem descritiva da notícia Cafeicultora de Ivaiporã aposta em tecnologia para driblar perdas na safra

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Em um dia de chuva, os dois quilômetros que separam o distrito de Jacutinga do Sítio Santa Amália exigem paciência dos viajantes e boa tração dos carros de quem precisa percorrer o interior de Ivaiporã. Silvana Santos Marcomini Fávaro, produtora de café na propriedade, tem muito mais que isso. Ela carrega criatividade, visão estratégica e o destemor para empreender.

Ela já ressuscitou algumas vezes o pomar de café que ocupa dois alqueires da propriedade de 20 alqueires. Depois de três anos em que as geadas e a estiagem comeram a maior parte da produção, ela investiu com ajuda do Governo do Paraná e espera colher 800 sacas de café em coco na atual safra. Uma esperança animadora para quem tirou 50 e 150 sacas nos dois últimos ciclos.

Há 34 anos, desde que nasceu, aquele é o chão de Silvana, trabalhando no café com a família. Ao casar, em 2011, houve uma interrupção no convívio, quando ela tentou se adaptar à cidade. Sem a ajuda da filha, Walter Marcomini pensou em desistir da cafeicultura. No ano seguinte, Silvana estava de volta para não deixar a tradição morrer. “Mas era plantio antigo, não dava o retorno necessário”, comenta a produtora.

A primeira tarefa foi a renovação da lavoura, processo que ainda continua. A tecnologia começou a chegar com o uso de lavador e secador, e secagem ao sol em terreno suspenso, com sombrite, que mantém a qualidade da bebida. O resultado veio de imediato. Silvana, o marido Márcio, o pai Walter e a mãe Geralda ficaram com o primeiro lugar no concurso Prêmio Café Qualidade, do IDR-Paraná, de 2018.

De lá para cá foi um sobe e desce. “Faz três anos que não colhemos quase nada. Em 2019 pegamos uma geada grande. Sofremos muito e perdi café no pé. Em 2020, começou a seca. Depois tivemos três geadas em 2021. Isso vem quebrando a safra”, conta Silvana, que participa do grupo Mulheres do Café do Vale do Ivaí, criado em 2021. 

Por conta da seca, ela resolveu ousar mais. “A seca fez o café quase morrer, quase perdemos todo o plantio, então decidimos colocar irrigação”, afirma. Na época, o Governo do Estado do Paraná tinha acabado de lançar o Banco do Agricultor Paranaense, que garantia juro zero ao produtor que investisse em irrigação. O agrônomo do Instituto de Desenvolvimento Rural-Iapar-Emater (IDR-Paraná) da região, Cleversom da Silva Souza, apresentou a proposta, que foi logo aceita e o investimento de R$ 157 mil já está em pleno funcionamento na propriedade.

“Depois de anos difíceis, a irrigação foi uma resposta ao sofrimento da seca”, acentua Silvana. “Este ano temos a perspectiva de colher umas 800 sacas”.

Investimento também em energia solar

A família também instalou um sistema de energia solar, que  deve contribuir para reduzir os custos na propriedade, onde também se cria gado para corte. Por ser importado, o sistema não pode ser incluído nos benefícios do Banco do Agricultor Paranaense. Sem os gastos com irrigação, pois a energia solar veio depois, a conta de luz mensal era de cerca de R$ 400,00. No último mês, baixou para R$ 18, 00, basicamente o custo do uso da fiação da empresa de energia.

O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, visitou a propriedade no começo deste ano. Segundo ele, o governo estadual vai continuar a agir com muita força no apoio a áreas que entende ser importantes para o crescimento do Estado e do agricultor, particularmente o familiar, como a irrigação, a energia renovável, sobretudo biogás, biometano e hidrogênio verde, as estradas rurais e tudo o que ajudar a reduzir custo e esforço do produtor, além de acrescentar renda e aumentar o poder de negociação com o mercado.

“Nunca defendemos um mar de café, mas um pomar bem cuidado, uma roça bem-feita em pequena propriedade, buscando no café o atributo que tem, que é ser uma bebida boa”, afirma Ortigara. “Precisamos muito mais, podemos muito mais e vamos fazer muito mais”, diz.