CIDADES

min de leitura - #

Deppen apura caso de mulher trans presa com homens na cadeia de Arapongas

Da Redação

| Edição de 13 de abril de 2022 | Atualizado em 13 de abril de 2022
Imagem descritiva da notícia Deppen apura caso de mulher trans presa 
com homens na cadeia de Arapongas

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

A prisão de uma mulher trans, em Arapongas, na semana passada, teve desdobramentos e agora instituições de segurança pública devem investigar responsabilidades das violações dos direitos da presa. Apesar das normas e legislações específicas já conhecidas no sistema, a mulher - detida pelo crime de roubo - teve a cabeça raspada e foi colocada numa cela comum, junto com presos homens, na cadeia pública.

O Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen), procurado pela reportagem da Tribuna, emitiu uma nota oficial sobre o caso, em que informa que a direção do órgão determinou a abertura de um procedimento administrativo para apurar o caso, incluindo o procedimento de raspagem de cabelo que não é usual na cadeia. Conforme a nota, a presa, “neste momento”, encontrava-se “em segurança e separada da massa carcerária”.

Na mesma nota, o Deppen informa que a mulher trans presa  deve ser transferida nos próximos dias para a unidade de referência para pessoas transgênero, que funciona em Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba.

Organizações e ativistas da comunidade LGBTQI+ estão denunciando a violação dos direitos. O caso já foi registrado e encaminhado para as entidades representativas do próprio movimento e também para a Secretaria Executiva do Conselho Permanente de Direitos Humanos do Paraná, para a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB/PR) e também para o Comitê LGBTQI+ do Paraná, da Secretaria de Estado da Justiça, Família e do Trabalho.

A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) também se posicionou nas redes sociais e informa que vai apresentar, em conjunto com outras entidades de representação, uma reclamação junto à Corregedoria do Poder Judiciário, “exigindo respostas efetivas, ações para responsabilizar aqueles violaram o direito da moça, e garantir que não volte a acontecer”.

Renata Borges, ativista LGBTQI+ com atuação em toda a região, e que vem acompanhando o caso no dia a dia desde a semana passada, informou que esteve com a mulher presa, que enfim pode inclusive fazer contato com a família. A detida é do Pará. Renata lembra que portaria do Deppen garante o respeito a identidade de gênero e o o registro de nome social nos documentos internos, o que não ocorreu em Arapongas desde o Boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar. “Quero salientar que segundo  a apenada toda abordagem foi preconceituosa e transfóbica”, diz. (CLAUDEMIR HAUPTMANN)