GERAL

min de leitura

Cia da Tribo leva ao Rio de Janeiro o espetáculo teatral Água Doce

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil (via Agência Brasil)

| Edição de 05 de junho de 2022 | Atualizado em 05 de junho de 2022
Imagem descritiva da notícia Cia da Tribo leva ao Rio de Janeiro o espetáculo teatral Água Doce

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Três apresentações gratuitas do premiado espetáculo teatral Água Doce vão levar ao público conhecimentos sobre os rios brasileiros e o meio ambiente. Criada em 2018 pela Cia da Tribo, a peça entra em cartaz pela primeira vez no Rio de Janeiro, e faz alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no próximo dia 5.

Imagem ilustrativa da imagem Cia da Tribo leva ao Rio de Janeiro o espetáculo teatral Água Doce
Imagem ilustrativa da imagem Cia da Tribo leva ao Rio de Janeiro o espetáculo teatral Água Doce

As exibições estão programadas para os dias 10, às 10h, na Lona Cultural João Bosco, em Vista Alegre, zona norte da cidade; dia 11, às 17h e 19h, na Arena Carioca Jovelina Pérola Negra, na Pavuna, zona norte do Rio; e no dia 12, às 12h30 e 14h30, no Parque das Ruínas, em Santa Teresa, região central da capital.

A classificação é livre e a distribuição de senhas ocorrerá uma hora antes do início da apresentação, que está sujeito à lotação dos espaços.

Cia da Tribo

A diretora da Cia da Tribo, Milene Perez, professora de teatro, informou  à Agência Brasil que a companhia trabalha há 26 anos com crianças, acumulando, até o momento, um repertório de dez espetáculos ativos que têm ligação forte com a cultura popular.

A peça Água Doce surgiu de um trabalho de escuta que Milene fazia com alunos de teatro em um parque. Durante esse trabalho, uma das crianças disse estar ouvindo o som de água. Milene confirmou que o som vinha de um rio que passava embaixo do local. Ao levantarem a tampa do bueiro, aconteceu uma reflexão muito forte e a percepção de como as crianças veem os rios nas grandes cidades. "Como uma coisa que fede e que causa enchentes, por exemplo", disse Milene.

Ela levou a conversa tida com os alunos para o grupo teatral e decidiram em conjunto elaborar uma história que tratasse dos rios. Para isso, estudaram a retificação dos rios ocorrida em São Paulo e que aconteceu em todo o país, em vez de se buscar o fortalecimento dos transportes ferroviário e fluvial, inclusive, dando preferência ao transporte rodoviário. “E os rios que serpenteavam as cidades atrapalhavam”, comentou.

Sensibilização

A questão foi trabalhada então, não de forma didática, mas lúdica, de modo a sensibilizar as crianças, seus pais e demais pessoas que assistissem o espetáculo. A companhia decidiu que uma forma de fazer isso seria através de bonecos grandes, feitos com materiais reutilizáveis. A encenação é feita na rua. O palco montado tem um rio que passa no meio e o público fica sentado dos dois lados, como se estivesse nas margens do rio, e acaba fazendo parte da história.

espetáculo gratuito
Divulgação Água Doce

O espetáculo Água Doce parte da lenda da Iara como pretexto para desenvolver a questão dos rios. Iara vive exilada na pororoca, que é o encontro das correntes de um rio com as águas do oceano. Ela observa como a inveja e a ganância podem fazer mal à natureza, matando os peixes e secando os rios.

A peça utiliza figuras do folclore para conscientizar as pessoas sobre a importância dos rios que circulam por todo o Brasil e, muitas das vezes, se encontram abaixo dos nossos pés, tamponados ou encanados durante um processo de urbanização desenfreada. O diretor de teatro e ator Wanderley Piras, que assina o texto com Milene, explicou que o uso da linguagem poética possibilita ao público entender por conta própria as questões que estão sendo tratadas.

Os bonecos representam figuras folclóricas como Cabeça de Cuia, Jaguarão, Pirarucu e Cobra Grande, e foram confeccionados pelo artista plástico Adriano Castelo Branco. Como eles chamam muito a atenção dos espectadores, a companhia os deixa expostos depois das apresentações, criando uma espécie de exposição ao ar livre, informou Milene.

Ferramenta

O diretor de teatro lembrou que a água é o nosso principal recurso natural, essencial para existência da vida na Terra. Mas desastres ecológicos recentes, como o rompimento da barragem de Brumadinho, que contaminou o Rio Paraopeba; ou o derramamento de petróleo no Oceano Atlântico, danificando todo o ecossistema marinho do litoral nordestino e avançando para os rios e mangues, ratificam a necessidade de se falar sobre isso para o público em geral. A Cia da Tribo acredita que o teatro pode trazer à tona discussões importantes, como a conscientização e a preservação ambiental.

Para a diretora do grupo, o teatro é uma ferramenta para a preservação dos recursos naturais. “A experiência que a gente propõe com o teatro passa por uma expressão estética que te movimenta, te faz questionar, te sensibiliza, te faz ter um olhar para uma coisa que, talvez, no dia a dia, você passa e nem olha. Aí, depois que você tem uma vivência como essa, isso de alguma forma está tocando a tua sensibilidade, o teu olhar, e você não vai mais passar por um rio sem olhar para ele, sem pensar nele. Acho que essa é a função do teatro”. A ideia é dar voz aos rios. A gente dá voz aos rios e as pessoas da cidade se emocionam. É muito legal!, afirmou.

O espetáculo Água Doce conquistou vários prêmios, entre os quais o Prêmio APCA de Melhor Espetáculo de Rua e o Prêmio SP de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem na categoria Sustentabilidade. Foi indicado também ao 7º Prêmio Aplauso Brasil, na categoria Melhor Espetáculo Para o Público Infantil e Jovem. Somente no estado de São Paulo foram feitas apresentações da peça em 80 parques. Milene Perez disse que a ideia, se a Cia da Tribo tiver patrocínio, é levar o espetáculo para todo o país.

As apresentações da peça Água Doce são patrocinadas pelo braço social do grupo Tigre (ICRH), por intermédio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

Cia da Tribo

O grupo paulista fundado pelos artistas Milene Perez e Wanderley Piras iniciou seu trabalho de pesquisa em cultura popular em 1996. Sua linguagem cênica foi desenvolvida por meio do estudo de tradições populares, personalidades e corporeidades brasileiras. Histórias, músicas, danças e bonecos criados pelo povo em diversas regiões do país são investigados, apreendidos, recriados e trazidos à cena, construindo assim, uma teatralidade brasileira.