POLÍTICA

min de leitura - #

Câmara de Arapongas instala CP para investigar vereador

DA REDAÇÃO

| Edição de 08 de fevereiro de 2022 | Atualizado em 17 de fevereiro de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Por unanimidade, a Câmara de Arapongas aprovou na noite desta segunda-feira, durante a primeira sessão ordinária do ano, a instalação de uma Comissão Processante (CP) para investigar a conduta do vereador Paulo César de Araújo (DEM), o Pastor do Mercado. Ele é suspeito de ter agredido três mulheres fisicamente. 

O vereador, inclusive, foi preso no dia 31 de janeiro preventivamente pela Polícia Civil e encontra-se recolhido na Penitenciária Estadual (PEL), de Londrina, para onde foi transferido na última sexta-feira da cadeia pública de Arapongas.
A denúncia contra o vereador foi apresentada em plenário pelo presidente da Câmara, Rubens Franzin Manoel (DEM), o Rubão, com base no Decreto Lei 201/67 e no Regimento Interno da Câmara, pela falta de decoro parlamentar. Para conduzir a sessão, Rubão passou a presidência da Casa para o vice-presidente Marcelo Junio de Souza (DC).
Escolhida por sorteio e obedecendo às regras da proporção partidária, a CP ficou assim constituída: Rosemary Soares Faria (PRTB), presidente; Márcio Nickenig (PSB), relator; e Sebastião Ferreira da Silva (PSC), o Ceceu, membro.
A Comissão tem um prazo de 90 dias para conduzir e concluir os trabalhos investigativos. Entre suas principais tarefas estão analisar os autos processuais nos quais constam as acusações contra Pastor do Mercado, averiguar a prática de violência contra mulheres por parte do vereador, ouvir as vítimas e testemunhas, dar oportunidade para o vereador se defender e, no final, emitir um relatório com suas conclusões. O relatório deverá concluir pela cassação ou não do vereador por falta de decoro parlamentar, cabendo ao plenário acatar ou não o relatório final.
O presidente da Câmara, vereador Rubão, agradeceu aos companheiros do Legislativo por terem acatado a denúncia. Ele diz que tomou essa iniciativa logo após os acontecimentos virem a público para que a Câmara também possa tomar as providências cabíveis quanto ao parlamentar.
“Nossa Câmara de Vereadores hoje tem um respeito muito grande e ninguém vai manchar tudo aquilo que fizemos até agora”, disse Rubão. “Muita gente fala que em política tudo acaba em pizza, mas aqui na Câmara de Arapongas isso não vai acontecer”, declarou.
Embora salienta que o vereador acusado tem todo o direito de se defender, Rubão frisa que quem comete algum deslize tem que pagar por isso. “Eu mesmo, se cometer algum deslize venho aqui e me demito”, afirmou, dizendo que os vereadores, se não podem fazer muita coisa, pelo menos têm que dar exemplo.
As vereadoras Marilza Vendrameto (PSC) e Rosemary Soares Farias (PRTB) reclamaram de ataques que sofreram pelas redes sociais cobrando delas providências imediatas. “Nós vamos trabalhar com nossos pares para fazer aquilo que deve ser feito e com muita clareza”, disse Rosemary, eleita presidente da CP.