CIDADES

min de leitura - #

Sem receber, bolsistas da Caps relatam dificuldades

Fernando Klein

| Edição de 08 de dezembro de 2022 | Atualizado em 08 de dezembro de 2022
Imagem descritiva da notícia Sem receber, bolsistas da Caps relatam dificuldades

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Estudantes de mestrado e doutorado da região que dependem da bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para sobreviver estão apreensivos. Eles não receberam o pagamento previsto para cair no início deste mês. Sem dinheiro para pagar as contas e até mesmo para comprar alimentos, muitos estudantes estão angustiados e já cogitam se desfazer até de bens pessoais para manter os estudos e garantir a sobrevivência. Em todo país, cerca de 200 mil pesquisadores foram prejudicados pelo bloqueio determinado pelo governo federal.

Uma das principais fontes de pagamentos de bolsas a estudantes de pós-graduação, a Capes – que é ligada ao Ministério da Educação (MEC) - informou nesta semana que não terá recursos para pagar as bolsas destinadas a esses pesquisadores. Os depósitos deveriam ser feitos até quarta-feira (7).

Mestranda de engenharia química do campus de Apucarana da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fernanda Peixoto, 27, está preocupada. Na reta final do curso, ela recebe R$ 1,5 mil por mês de bolsa. De Maringá, Fernanda transferiu residência para Apucarana para se dedicar aos estudos, que exigem dedicação integral.

“Recebo a bolsa desde o segundo mês do mestrado. Iniciei em março de 2021 e devo finalizar até março do ano que vem. O valor é de R$ 1,5 mil mensais. Esse dinheiro dá no limite para pagar as despesas e acaba ficando um pouco apertado”, comenta a estudante que faz suas refeições no Restaurante Universitário (RU) para fechar o orçamento.

“Este mês eu estou sem saber o que fazer. A minha conta está zerada e não paguei minhas despesas. Preciso comer”, afirma. Ela diz que está tentando vender alguns bens para tentar arrumar dinheiro. “A pesquisa é muito importante e exige muita dedicação. Ainda que sobrasse tempo para trabalhar, a gente não pode, porque no contrato a Capes não permite vínculo empregatício”, explica.

A apucaranense Taynná Cristina da Cunha Ferreira, 24, está na mesma situação. Formada em licenciatura em química, ela faz mestrado em engenharia química na UTFPR. “Não podemos ter vínculo empregatício, então deixei as aulas que eu dava no Estado para assumir a bolsa e dar exclusividade ao mestrado”, afirma.

Segundo ela, o valor da bolsa, apesar de não ser reajustado há muitos anos conforme a inflação, ajuda a pagar as contas, como moradia, água, luz, internet e alimentação. “Não é um valor que sobra no fim do mês, então nós precisamos receber sem falta para que possamos dar continuidade a nossa pesquisa, que também é uma forma de trabalho. Nós nos dedicamos a ela mais tempo do que uma jornada de trabalho comum. É nosso direito receber pelo que nós fazemos”, afirma.

No exterior, situação é a mesma

A jornalista Antoniele Luciano, 36, faz doutorado na área de estudos literários na University of Georgia, em Athens, na Georgia, Estados Unidos. De Jandaia do Sul, ela integra o Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, mas está nos EUA no chamado “doutorado sanduíche”, quando os pesquisadores realizam parte dos estudos em outro país.

Antoniele comenta que a falta de pagamento pode ser ainda mais delicada para quem é pesquisador fora do país, como é o caso dela. “Diariamente, já temos que gerenciar diversas variantes, como a questão do idioma, adaptação, produtividade e o dinheiro”, comenta. Ela recebe por mês 1,3 mil dólares.

Segundo a jornalista, o dinheiro é suficiente apenas para o básico. “Com esses bloqueios, estamos preocupadíssimos sobre como vamos honrar nossos compromissos. Dia 1º de janeiro é a data que vence o aluguel aqui nos EUA. Essa é uma situação que afeta não só nossa produtividade, mas nossa saúde mental também”, afirma.

A presidente da Capes, Claudia Toledo, anunciou nesta quinta-feira (8) que o governo federal liberou R$ 50 milhões para o pagamento de bolsas. O valor corresponde a apenas 25% do necessário. A prioridade será para programas voltados à formação de professores da educação básica. Estudantes de mestrado, doutorado e pós-doutorado do Brasil e do exterior ainda não foram contemplados.