POLÍTICA

min de leitura - #

Deputados bolsonaristas defendem CPI da Petrobras

Estadão Conteúdo

| Edição de 21 de junho de 2022 | Atualizado em 21 de junho de 2022

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

O Partido Liberal (PL), partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, finalizou nesta terça-feira o requerimento para pedir a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras na Câmara. O texto fala em apurar a conduta do Conselho e dos diretores da estatal e também propõe investigar supostas irregularidades na definição da política de preços dos combustíveis.

Até final da tarde de ontem o pedido já contava com 65 assinaturas, segundo uma fonte. Para ser protocolado no sistema da Câmara, são necessárias no mínimo 171.

Dentre os parlamentares que endossaram a abertura da CPI, estão Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do presidente da República, Bia Kicis (PL-DF), Coronel Tadeu (PL-SP) e Daniel Silveira (PTB-RJ), que recebeu perdão de Bolsonaro após ser condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por ataques à democracia.

O autor do requerimento é o líder do PL na Câmara, Altineu Côrtes (RJ).

Após reunir as assinaturas necessárias, o pedido de instalação da CPI precisa ser autorizado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). A possibilidade real de instalação do colegiado segue baixa neste momento e é vista mais como pressão para o governo conseguir formas de diminuir o preço dos combustíveis, que atrapalham os planos eleitorais de Bolsonaro, e obter mudanças na Lei das Estatais para ampliar a ingerência política e aparelhamento em empresas públicas.

“É CPI do preço dos combustíveis”, destacou à reportagem o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), na tentativa de focar a possibilidade de investigação na política de preços, e não na empresa ligada ao governo. “O objetivo é investigar o preço dos combustíveis, colocar luz sobre tributos, sonegação dos exportadores”, frisa Barros.

Se for instalada, a CPI será composta por 25 membros titulares e igual número de suplentes. O prazo inicial para a investigação é de 120 dias, mas há possibilidade de prorrogação, de acordo com o regimento interno da Câmara. (ESTADÃO CONTEÚDO)