POLÍTICA

min de leitura - #

Justiça mantém apucaranenses presos após Audiência de Custódia

Fernando Klein

| Edição de 14 de janeiro de 2023 | Atualizado em 14 de janeiro de 2023
Imagem descritiva da notícia Justiça mantém apucaranenses 
presos após Audiência de Custódia

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

Quatro dos apucaranenses presos em Brasília por participação nos atos golpistas do último domingo já passaram pelas audiências de custódia, mas tiveram suas prisões mantidas e os casos remetidos para análise do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Um foi ouvido nesta quinta-feira e os outros três nesta sexta por juízes federais de 1º grau. A informação é do advogado Luiz Fernando Vilasboas, que representa 12 apucaranenses presos na Capital Federal.

Ao todo, 1.167 pessoas estão detidas após participação na manifestação de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que acabou em invasão e destruição das instalações do Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal (STF) e do Palácio do Planalto, segundo última atualização da Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape-DF). 

Os homens estão no Centro de Detenção Provisória 2, no Complexo da Papuda, e as mulheres na Penitenciária Feminina do DF, conhecida como Colmeia. Entre os apucaranenses presos estão desde trabalhadores com carteira assinada, aposentados e até empresários. Pelo menos 40 apucaranenses podem estar detidos em Brasília, segundo estimativas do advogado. 

As audiências de custódia permitem ao juiz analisar a situação de cada pessoa detida e averiguar se permanecem os motivos que fundamentaram a prisão. Também permitem verificar a ocorrência de eventual tratamento desumano ou degradante. No entanto, o advogado apucaranense afirma que o padrão adotado pelos juízes federais é o de manter as detenções. “Todas as prisões estão sendo mantidas pelos juízes de primeiro grau e os pedidos de liberdade encaminhados ao ministro Alexandre de Moraes”, informou Vilasboas. 

Segundo ele, o clima é tenso por conta da dificuldade de acesso aos presos. O apucaranense conta que um advogado foi detido no final da tarde desta sexta-feira ao tentar entrar com kits de higiene e roupas para um cliente. “O clima na Papuda está extremamente acalorado”, observa. A expectativa é que mais apucaranenses passem pelas audiências de custódia neste final de semana.