CIDADES

min de leitura - #

Restaurantes adaptam cardápios para driblar alta dos preços

Aline Andrade

| Edição de 14 de julho de 2022 | Atualizado em 14 de julho de 2022
Imagem descritiva da notícia Restaurantes adaptam cardápios para driblar alta dos preços

Fique por dentro do que acontece em Apucarana, Arapongas e região, assine a Tribuna do Norte.

As altas seguidas nos preços dos alimentos e no gás de cozinha impulsionadas pelo preço dos combustíveis e crise internacional, está trazendo dificuldades para muitas famílias colocarem comida na mesa. Alguns tentam driblar a crise substituindo produtos e até deixando de comprar outros. Mas se a situação já está difícil de sustentar em casa, para quem trabalha com alimentação, o caso não é menos complicado. Os preços dos ingredientes e do gás estão fazendo muitos restaurantes adaptarem os cardápios para não precisar aumentar os preços e perder ainda mais clientes.

Antônio Ângelo Lazarini é proprietário de um restaurante que serve almoço de segunda a sábado em Apucarana e tenta driblar as dificuldades impostas pela inflação. Ele conta que nos últimos meses, o faturamento caiu cerca de 25%, o que fez com que o cardápio precisasse de algumas alterações

“Estamos tentando levar os negócios, com muita dificuldade. Para tanto, estamos procurando substituir alguns ingredientes, principalmente as carnes, utilizando mais o porco e o frango. Baixamos a quantidade de carne bovina no cardápio e as folhagens também, que já aumentaram em até 100%. Para fazer as compras, sempre espero produtos entrarem em oferta e assim vamos levando”, contou o comerciante.

Para Lazarini, a recente redução no valor da gasolina é a esperança de que os preços comecem a cair. “Minha esperança agora é a redução do valor da gasolina para ver se alguns preços começam a baixar também, principalmente o gás de cozinha, que tem comprometido muito nosso orçamento”, considerou.

Outra dona de restaurante que sente os reflexos destes aumentos é Juliana Azevedo. Ela conta que estão repassando uma porcentagem mínima para não perder os clientes, e mesmo assim, já percebeu que o restaurante está mais vazio.

“Já percebemos uma queda no número de clientes, além de alguns que vinham todos os dias e agora só aparecem de vez em quando. Tivemos que repassar uma porcentagem pequena de aumento nos preços, principalmente por conta do gás, da carne e do óleo, que são os produtos que mais têm atrapalhado nossas finanças.

Juliana explica que para driblar a crise, a solução é se reinventar e utilizar novos pratos.

“Estamos nos reinventando no dia-a-dia, inventamos novos pratos, substituímos ingredientes, procuramos utilizar produtos mais em conta, tudo para poder continuar trabalhando”, declarou.